Tamanho do texto

Destaque do duelo são as dez jogadoras com experiência em suas seleções, nove do Brasil e uma dos EUA

O Vôlei Futuro perdeu a invencibilidade para o Pinheiros/Mackenzie em seu último jogo pela Superliga Feminina. Na partida da próxima sexta-feira, a equipe quer se redimir diante de sua torcida contra outro time paulista, o Sollys/Osasco.

O destaque do duelo são as dez jogadoras com experiência em suas seleções, nove do Brasil e uma dos Estados Unidos. Além das brasileiras Jaqueline, Sassá, Thaísa, Adenízia, Natália e Camila Brait, do lado do Osaco, e da dupla Joycinha e Fabiana, do Vôlei Futuro, o time de Araçatuba tem ainda a levantadora Alisha Glass e a líbero Stacy Sykora, da seleção norte-americana.

Glass fraturou no dedo da mão direita e, juntamente com a ponteira Tandara, são desfalques do time do interior. Do lado do Sollys/Osasco, o técnico Luizomar de Moura tem todas as jogadoras à disposição, mas prega cautela à sua equipe.

"Nós sabemos que hoje Araçatuba respira vôlei, tanto no masculino quanto no feminino. Por isso, vamos enfrentar, além de uma grande equipe, um ginásio lotado e uma torcida apaixonada", ressaltou o treinador.

O técnico araçatubense William Carvalho admite que sua equipe foi muito mal no confronto passado, mas espera uma recuperação de suas jogadoras. "Estamos enfrentando problemas de contusão e jogar contra Osasco é sempre muito difícil. Temos que sacar e passar bem, fundamentos que não funcionaram contra o Pinheiros", disse William.

Vôlei Futuro e Sollys/Osasco entram em quadra às 21h (horário de Brasília), no ginásio Plácido Rocha, em Araçatuba, pela sétima rodada da Superliga.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.