Tiffany Abreu foi a primeira trans brasileira a receber autorização da Federação Internacional de Vôlei para jogar com as mulheres

Tiffany Abreu, jogadora do Golem Software Palmi
Reprodução
Tiffany Abreu, jogadora do Golem Software Palmi

A presença de uma jogadora brasileira transexual na segunda divisão do vôlei feminino na Itália tem dado o que falar e pode virar caso de Justiça. Batizada como Rodrigo, Tiffany Abreu tem 32 anos, 1,94m de altura e atua como oposta.

LEIA MAIS: Dirigente ofende jogador alvo de racismo: "Volte ao Brasil com seu dedo escuro"

De acordo com o jornal "Corriere della Sera", a atleta fez cirurgia para a mudança de sexo em 2014. No entanto, continuou atuando por clubes masculinos até o início de 2017, quando se tornou a primeira jogadora transexual brasileira a receber autorização da Federação Internacional de Vôlei (Fivb) para se juntar às mulheres.

No último domingo (19), fez sua estreia pelo Golem Software Palmi, marcando 28 pontos na vitória por 3 sets a 1 contra o Delta Informatica Trentino. Ao fim da partida, foi eleita a melhor em quadra e muito aplaudida pelo público.

"O que aconteceria se fôssemos ao Brasil, pegássemos três trans e as levássemos para jogar conosco o campeonato feminino? Venceríamos o campeonato. Mas isso não está certo", declarou o diretor-geral do time Millenium Brescia, Emanuele Catania, que garantiu ter o "máximo respeito" por Tifanny.

LEIA MAIS: Medalhista de ouro no Rio 2016 é alvo de ameaças sexuais no Facebook

"As regras têm de ser precisas. As outras equipes não são tuteladas: foi jogada na briga uma profissional que prejudica o equilíbrio da temporada em curso. As regras do jogo foram mudadas, e isso não está certo", acrescentou.

No próximo dia 5 de março, o Millenium enfrenta o Palmi em um duelo que pode ser decisivo na disputa por uma vaga nos playoffs. Apesar de prometer que não anulará nos tribunais uma eventual derrota, Catania diz que não descartará a possibilidade de participar de uma "ação de classe" ao lado de outros clubes contra a brasileira.

"Há vídeos que mostram como Tifanny carrega o dobro do peso que a média. Seu DNA continua masculino", afirmou o cartola, salientando que a transexual leva uma "evidente" vantagem física em relação às adversárias.

LEIA MAIS: Três ex-ginastas dos EUA acusam médico por abuso sexual

Tiffany Abreu com sua antiga equipe
Reprodução
Tiffany Abreu com sua antiga equipe

Posicionamento do clube

Por meio de comunicado oficial, o Golem Software Palmi rebateu as declarações de Catania e afirmou que "não é preciso ser endocrinologista" para saber que a diminuição da concentração de testosterona e o aumento dos hormônios femininos - resultado do tratamento hormonal feito pela atleta - provoca redução da massa e da potência muscular.

"A pergunta é: Tifanny é uma jogadora fora de sua categoria? A resposta é sim, porque ela seria mais adequada à primeira divisão. Para a legislação vigente, e em primeiro lugar para ela, trata-se de uma mulher, e só entre as mulheres ela pode jogar", finalizou a nota.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.