Tamanho do texto

Sollys/Nestlé e Unilever decidem o título nacional neste domingo, no ginásio do Ibirapuera, em São Paulo

Campeãs olímpicas dos dois lados. Cinco títulos cariocas e três paulistas em oito finais consecutivas. E na nona vez que Sollys/Nestlé, de Osasco, vai encarar a Unilever, do Rio de Janeiro, na decisão, quem serão as protagonistas? Veja um perfil das possíveis titulares na galeria e conheça um pouco mais no "quem é quem".

Deixe seu recado e comente com outros leitores


Experientes e campeãs

O Sollys/Nestlé é visto como a seleção brasileira. Das titulares, cinco estavam na equipe nacional que conquistou o bicampeonato olímpico em Londres 2012. E quem não estava, casos de Fabíola e Camila  Brait, já fez parte do time de Zé Roberto. Baseado nesse elenco, o técnico Bernardinho já disse e repetiu que o favoritismo na decisão e do lado de Osasco

Leia mais: É bom ou ruim ter os mesmos finalistas na Superliga? Veja opinião dos atletas

Mas a Unilever também tem as suas campeãs. Fofão, levantadora de 43 anos e que pode se tornar a mais velha a levar o título da Superliga, foi ouro em Pequim 2008, ao lado da central Valeskinha. A líbero Fabi venceu em Pequim e em Londres. A equipe ainda tem Logam Tom no elenco. A norte-americana teve uma lesão no tornozelo, perdeu parte do returno e deu lugar à jovem Gabi, mas pode passar experiência de quem tem duas pratas olímpicas. 

Minha primeira final

Apesar de já ser a nona decisão seguida entre os times, tem gente na primeira final de Superliga, como por exemplo Fernanda Garay, que chegou nesta temporada ao Sollys/Nestlé, ou Gabi, caçula da equipe da Unilever e também contrata neste ano . Outra novata é Sarah Pavan, canadense e única estrangeira entre as possíveis titulares. 

E ainda:  Qual o segredo de tantas finais? Para Sollys e Unilever, a palavra é persistência

Vira-casaca 

Sheilla trocou a Unilever pelo Sollys/Nestlé um ano depois de Natália ter feito o caminho inverso. Entretanto, as duas estarão pela primeira vez na decisão com a nova camisa. A oposta da seleção brasileira deixou o posto de segurança do time de Bernardinho para Sarah Pavan. Agora, já caiu nas graças da torcida do Osasco. 

Blog Mundo do vôlei: É justo ter Sollys/Nestlé e Unilever de novo na final

Já Natália pode se preparar para pressão. A jogadora está na segunda temporada pela Unilever, mas como teve problemas sérios e passou por duas cirurgias na canela, não jogou em 2011/2012. Agora, estará em quadra em um jogo que pode ser considerado na casa do adversário, já que a decisão será em São Paulo, ao lado de Osasco. A ponteira foi hostilizada na fase classificatória quando encarou a antiga torcida. Como será na final no Ibirapuera?

O jogo que decide o título da Superliga será neste domingo, às 10 (horário de Brasília). 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.