Zé Roberto Guimarães deixa renovação nas mãos de presidente da CBV

Técnico admitiu vontade de permanecer à frente da seleção de vôlei, mas disse que quer continuar treinando um clube simultaneamente

Marcelo Laguna - iG São Paulo | - Atualizada às

Gazeta Press
José Roberto Guimarães treina o Vôlei Amil

O técnico José Roberto Guimarães quer continuar à frente da seleção brasileira feminina de vôlei, mas ainda não discutiu a renovação de seu contrato com o presidente da CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) e também da FIVB (Federação Internacional de Vôlei), Ary Graça. Segundo o treinador, as condições oferecidas pelo dirigente definirão se ele segue à frente da equipe nacional.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Não falei com o Ary ainda, preciso sentar com ele e ver o que ele está pensando. Não dá para começar a pensar, acho que só conversando com ele vou poder entender o que ele vai querer", disse o treinador tricampeão olímpico. "Mas existe uma vontade minha de ficar e parece que tem uma vontade dele para que eu fique, então já é um passo importante", completou.

Veja também: Zé Roberto vê vantagens para o vôlei com a chegada de Ary Graça na FIVB

Eleito presidente da FIVB, Graça já manifestou a intenção de ter um técnico que trabalhe exclusivamente para a seleção, mas também deixou claro que gostaria da permanência de Zé Roberto, que assumiu o comando do recém-criado Vôlei Amil. O mesmo ocorre na equipe masculina, que tem à frente Bernardinho, também treinador da Unilever.

Nas últimas temporadas, Zé Roberto dividiu seu tempo entre o time nacional e a equipe turca do Fenerbahce e atribui seu sucesso ao fato de se manter em atividade durante as temporadas de torneios de clubes e também de seleções. Por isso, gostaria de repetir o esquema até as Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016.

Leia também: Jogadoras da Unilever curtem dia de modelo e fazem ensaio fotográfico

"Acho perigoso para um técnico ficar seis meses parado, pois você fica seis meses sem se atualizar, trabalhar sua cabeça pensando em tática de jogo etc. Agora não dá para falar nada sem conversar com o Ary, precisamos nos adequar", avaliou o treinador paulista.

Mas engana-se quem pensa que a parte financeira poderá ser um problema neste processo. "Se eu vou pedir aumento a ele? Não, gente, de forma alguma, não estou pensando nisso. Ele é quem sabe se tem que me dar aumento", brincou Zé Roberto.

Para receber as notícias do Esportes envie igesportes para 49810 . 10 dias sem custos * * Após este período, custo de R$ 0,31 + imp. por mensagem recebida.

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG