iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Vôlei

28/10 - 11:50

Jogadores garantem renovação tranquila na seleção masculina, mas pedem cautela
Segundo atletas, a base será mantida para o próximo ciclo olímpico, mas é preciso minimizar cobranças sobre grupo

Por Aretha Martins, do iG Esporte


SÃO PAULO – A seleção brasileira masculina de vôlei se prepara para uma nova fase. Desde a prata na Olimpíada de Pequim e as aposentadorias de Gustavo e Anderson do time, a equipe comandada por Bernardinho faz um processo de renovação visando os próximos quatro anos e os Jogos de Londres, em 2012. A fase é de mudanças no esporte, mas quem fica segue confiante em bons resultados.
 
“Vejo esse momento com bons olhos. O Brasil tem material para a renovação e esses jogadores já estão com a seleção, seja na equipe de novos ou na principal”, ressalta Marcelinho. Já André Heller elogia os novatos. “Acho que é molecada só nome. Eles podem ser jovens, mas já jogam no alto nível e já são craques”, analisou Heller. Entre os novos, estão Leandro Vissotto, destaque no Campeonato Italiano com o Trentino, Éder, Lucão, Thiago Alves e Gustavão, nomes de destaque na Superliga.
 
Mas a nova seleção conta com gente experiente também. “A base será mantida e isso é fundamental para a transição de um ciclo olímpico para o outro”, diz o levantador Bruninho. Do elenco que foi aos Jogos da China, Dante, Murilo, André Nascimento, André Heller, Serginho devem seguir no time segundo o meio-de-rede Éder.
 
Serginho, líbero da equipe, é um pouco mais cauteloso quanto aos novos atletas. Para ele, o estilo de jogo nas competições nacionais é diferente do praticado nos países europeus. “Na Rússia ou na Itália é porrada o tempo todo. Eles jogam com saque e ataque forçados. A molecada precisa ver como é isso. Aqui no Brasil não é assim”, comenta. Para ele, o jogo no Brasil e mais cadenciado, com mais defesas que no exterior. Lucão, meio-de-rede apontado como reforço para a seleção nesta fase, concorda com Serginho. “Temos que jogar, fazer amistosos, para saber como é encarar os mais altos e mais fortes”, completa.
 
Quem está a menos tempo no time de Bernardinho também sabe que terá cobrança pela frente. “A pressão será dobrada porque o Brasil sempre esteve no pódio e vão querer que continue assim”, explica Bruninho. “O legado que essa geração que venceu quase tudo nos deixa é de muito trabalho. É isso que precisamos: trabalhar sempre!”, completa.
 
Para André Nascimento, que entrou para a equipe verde e amarela na renovação feita com a chegada do técnico Bernardinho em 2001, é necessário ter calma com o novo elenco. “Não podemos esperar muito desse grupo. O time do Brasil deu muito certo até agora e vai ser difícil repetir essa façanha. Temos que ter consciência disso e não botar tanta pressão em cima dos novos”, afirma o oposto. 
 
Veteranos firmes e fortes!
 
O momento é de mudanças na seleção brasileira, mas tem gente que não pretende abrir mão de seu lugar na equipe. Enquanto Marcelinho segue a linha de viver um dia após o outro e afirmar que “vai deixar as coisas acontecerem”, André Nascimento pensa mais longe. “Quero ir a mais uma Olimpíada”, afirma o jogador.

Divulgação
André Heller e André Nascimento, reforços do Minas e da seleção brasileira

 
Já André Heller comenta que, se Bernardinho achar que ele deve seguir no time, estará sempre a postos. “Nunca vou conseguir dizer não para a seleção brasileira. Serei sempre o torcedor número um do time, mesmo se ficar de fora”, fala.
 
E tem gente que defende que a idade até ajuda em quadra. “Para um líbero, quanto mais velho melhor! Você vai conhecendo cada cantinho da quadra. Mas aí os problemas também vão aparecendo. Aparece problema no joelho, nas costas”, brinca o defensor da seleção brasileira.
 
Os mais novos sabem que vão precisar mostrar trabalho para conseguir um lugar entre os veteranos. E a Superliga, que começa nesta quarta-feira, é o momento de fazer o que sabem em quadra. “Tem vagas abertas na seleção e a Superliga é uma referência”, comenta Lucão. E Bernardinho terá tempo de observar os jogadores em toda a competição pois o Brasil só volta a jogar em junho, na Liga Mundial 2009.


Leia mais sobre: seleção brasileira de vôlei Liga Mundial Superliga



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Cesar Conti

Gente nova na seleção
Éder (esquerda) e Lucão devem fazer parte do novo time masculino do Brasil

Topo