Atual 25ª da WTA, norte-americana tem boas chances de disputar Wimbledon após passar por fase complicada

Sem jogar desde julho do ano passado por causa de duas operações no pé, além de ter sido internada no início de março por causa de coágulos de sangue em seu pulmão, Serena Williams fará seu retorno ao tênis na próxima semana, quando disputará o WTA de Eastbourne, na Inglaterra. O fato é um sinal de que ela estará pronta para atuar em Wimbledon - Grand Slam que começa no próximo dia 20 - e defender o título que conquistou no ano passado em Londres.

Por meio de um comunicado divulgado nesta terça-feira, Serena informou que aceitou o convite para disputar a competição, que servirá de preparação para Wimbledon. "Estou muito empolgada por estar saudável o suficiente para competir novamente", afirmou a tenista, que depois acrescentou: "Estes últimos 12 meses foram extremamente difíceis. Eu tenho muita coisa para estar agradecida. Eu sou grata à minha família, amigos e fãs por todo o seu apoio. Serena está volta".

Pouco depois de conquistar o título de Wimbledon no ano passado, Serena Williams cortou seu pé ao pisar em um copo de vidro em um restaurante na Alemanha. Dias depois, ela chegou a atuar em um jogo de exibição na Bélgica contra Kim Clijsters, mas, ao retornar aos Estados Unidos, ela passou pela primeira das duas cirurgias a que foi submetida em seu pé. A segunda operação foi realizada em outubro e a obrigou a ficar dez semanas com o pé imobilizado e outras dez andando com uma bota de proteção.

Para completar, a tenista norte-americana de 29 anos foi diagnosticada em fevereiro com coágulos de sangue em seu pulmão. E, em seguida, ela afirmou que precisou se tratar de um hematoma em seu estômago. Por causa do longo tempo afastada das quadras, Serena, ex-número 1 do tênis feminino mundial, sofreu grande queda no ranking da WTA (Associação de Tênis Feminino), no qual ela hoje ocupa a 25ª colocação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.