Tenista brasileiro ficou a uma desistência de ingressar na chave principal e não se aposentará no tradicional Aberto francês

AFP
Marcos Daniel enfrentou Rafael Nadal no Aberto da Austrália, último Grand Slam de sua carreira
A última terça-feira não saiu como o brasileiro Marcos Daniel esperava. O tenista, que precisava apenas de três desistências, ficou a uma de entrar na chave principal de Roland Garros. Desta forma, não conseguiu concretizar o sonho de encerrar a carreira no tradicional saibro parisiense.

Ainda podem haver algumas baixas, mas, como já expirou o prazo, os promovidos serão os derrotados da última rodada do qualifying . Tais casos são denominados lucky losers . Assolado por uma grave lesão no ombro, o gaúcho expôs a frustração de ter ficado sem a vaga, tida como certa, e a aposentadoria perfeita.

"É uma pena. Eu estava com 99,9% de chances de entrar. Foi um ano atípico. Nas últimas temporadas, nunca aconteceu de fechar em um número tão baixo. Tem vários jogadores que estão machucados, mas, por não sei que motivos, optaram por esperar até o último momento. Infelizmente, eles não cancelaram na hora certa e terão de pagar multa", explicou o jogador.

Daniel, que chegou a ser número 56 do ranking mundial, tinha como segundo plano se despedir das quadras com chave de ouro em algum challenger na Colômbia, onde conquistou oito títulos. Porém, o torneio do segundo semestre foi suspenso e zerou as alternativas do gaúcho de 32 anos.

Sem escapatória, o atleta - que tem ranking, atualmente é o 155º da ATP, para disputar um bom número de competições, porém prefere se ausentar para não prolongar o fim agonizante - será obrigado a pendurar a raquete sem um grande desfecho.

A respeito de seu futuro, Daniel deixa escapar uma possibilidade de trabalhar na comissão de Larri Passos, que foi seu técnico durante muitos anos. "Não sei ainda para onde eu vou. Existe uma possibilidade de trabalhar junto do Larri. Vamos esperar", afirmou o ex-tenista, que confidenciou não descartar algumas partidas exibições durante o ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.