Tamanho do texto

Fanático por esporte, Eric Butorac compete com outros tenistas em jogo virtual da NBA e acompanha os times de Minnesota

Vindo de um país em que a cultura esportiva faz parte do dia-a-dia de seus cidadãos como talvez em nenhum outro lugar do mundo, o norte-americano Eric Butorac, que venceu o Brasil Open ao lado do mineiro Bruno Soares neste domingo, em São Paulo, falou ao iG que é um fã doente assumido dos times do estado de Minnesota, não importando a modalidade.

Veja também: Soares bate Sá e fatura título de duplas do Aberto do Brasil

Durante a longa temporada do circuito ATP (Associação dos Tenistas Profissionais), que começa logo no dia 1º de janeiro e vai até a segunda semana de novembro, segue bem de perto os resultados do Timberwolves na NBA, do Vikings na NFL e do Twins na MLB, não importando em que ponto do globo esteja.

Leia mais sobre tênis no blog do Paulo Cleto

Nesta época do ano, o momento é acompanhar tudo o que se refere ao Wolves, que compete por uma vaga nos playoffs da Conferência Oeste pela primeira vez desde 2004 e a saída do pivô Kevin Garnett para o Boston Celtics – a ironia é que hoje Butorac, que mora em Boston, pode acompanhar o final da carreira do ex-ídolo Garnett por lá.

Mutorac formou dupla vitoriosa com Bruno Soares no Brasil Open
Futura Press
Mutorac formou dupla vitoriosa com Bruno Soares no Brasil Open

 O tenista, natural de Rochester, está empolgado com o armador Ricky Rubio, novato que surpreendeu seus oponentes com passes criativos e é o quarto no ranking de assistências da NBA. “Em alguns momentos ele lembra o Magic Johnson”, afirma o tenista, sorridente, talvez se empolgando um pouco na comparação. Depois, ele deixa escapar que já teme que a sensação espanhola deixe o clube no futuro.

E mais: Federer bate Del Potro e fatura título em Roterdã

Na estrada, Butorac assiste ao Timberwolves assinando o pacote de pay-per-view da NBA, o “League Pass”. “É o time que hoje mais faz sucesso nessas transmissões. Se você pega a ESPN, só passam o Lakers e o Miami Heat. Então é o jeito de assisti-los”, conta.

A liga tos tenistas
Se praticar o basquete nos clubes de bairro da YMCA – a ACM (Associação Cristã de Moços) aqui – se mostrou uma ameaça à carreira de tenista quando ele foi derrubado por um adversário ao tentar concluir uma bandeja e caiu de costas no chão, Butorac tem se dedicado com mais afinco ao basquete virtual.

Enfrentando 11 adversários do mundo do tênis, entre eles o número quatro do mundo, o escocês Andy Murray, o norte-americano trava uma batalha intensa, de vida ou morte, em jogos de “Fantasy” – jogo online que envolve as estatística obtidas da liga norte-americana de basquete. “Fui o campeão nos últimos dois anos. Mas nesta temporada não estou muito bem. O Murray é quem está liderando”, revela.

O problema é esconder o vício da mulher, Maggie Suydam, com quem se casou na sede do Hall da Fama do Tênis em New Port, aliás. “O melhor é eu acordar cedo, acertar o jogo e depois disfarçar, fingindo que tinha acabado de levantar”, brinca o tenista.