Tenista disse que outros jogadores não têm medo de fazer uma paralisação em busca de melhorias

Com a Copa Davis em andamento, tenistas planejam uma reunião nos Masters 1000, em Xangai, para discutirem as melhoras no calendário. Andy Murray foi o porta-voz das reclamações. Ele afirmou à emissora BBC que a greve é uma possibilidade.

"Pelo que falei com alguns jogadores, eles não teriam medo de fazer isso", disse. Porém, ele espera que a greve não seja necessária. "Vamos torcer para que não chegue a esse ponto, mas, sem dúvida, vamos considerar", acrescentou.

O caso ganhou maiores proporções com as reclamações públicas de Murray e Nadal durante o Aberto dos EUA. Segundo o britânico, as exigências são simples: os tenistas querem menos torneios mandatórios e mais descanso. "Queremos poucas mudanças, coisas pequenas mesmo. Duas ou três semanas de descanso durante o ano, menos torneios, não é algo impossível", concluiu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.