Após conquistar ATP Finals pela sexta vez na carreira, suíço diz que jamais havia terminado uma temporada tão bem como em 2011

Centésima final na carreira, septuagésimo título conquistado, único tenista a vencer seis vezes o ATP Finals: Roger Federer fez história, neste domingo, em Londres. O suíço precisou de três sets para vencer o francês Jo-Wilfried Tsonga , parciais de 6-3, 6-7 e 6-3, em 2h18 de partida, na decisão do torneio que encerra a temporada e reúne apenas os oito melhores do mundo. Foi o sexto título do tenista na competição, ultrapassando as lendas Pete Sampras e Ivan Lendl e isolando-se como maior campeão de todos os tempos do ATP Finals.

Leia também: Roger Federer conquista título do ATP Finals

“É um sentimento maravilhoso, tentei não pensar nisso (se tornar o maior vencedor do torneio) durante toda a semana, mas agora é realidade. Sei que é um dos meus maiores feitos. Estou orgulhoso, é o fim de temporada mais forte que já tive”, disse Federer, campeão do torneio em 2003, 2004, 2006, 2007, 2010 e 2011. “Continuo achando que não sou melhor que Sampras ou Lendl, só de ser comparado a eles me deixa feliz. Então, ouvir que superei marcas desses tenistas é algo realmente especial”, completou.

Apesar do vice-campeonato, o francês Jo-Wilfried Tsonga afirmou que termina o ano satisfeito com o seu desempenho e não contestou a superioridade de Federer no duelo deste domingo.

“Lutei o máximo que pude. Posso me olhar no espelho e dizer que lutei o quanto pude. Acho que ele jogou melhor no primeiro set, no segundo e no terceiro também (risos). Então, tive até sorte de jogar três sets hoje”, avaliou o número 6 do mundo.

Com título neste domingo, Federer chegou ao seu 70º título da ATP na carreira
Getty Images
Com título neste domingo, Federer chegou ao seu 70º título da ATP na carreira

Com o título invicto, Roger Federer recebe 1.500 pontos no ranking da ATP (Associação dos Tenistas Profissionais) e termina a temporada na terceira colocação, atrás do sérvio Novak Djokovic e do espanhol Rafael Nadal, primeiro e segundo colocados, respectivamente. A conquista ainda rendeu ao suíço cerca de R$ 2,8 mi em premiação e uma motivação ainda maior para o próximo ano.

“As perspectivas são boas para 2012, estou muito motivado e sei que será uma temporada muito disputada. Seria ótimo voltar a vencer um Grand Slam” afirmou o número 3 do mundo.

O ano de Roger Federer pode não ter sido como ele gostaria, sem a conquista de nenhum Grand Slam, fato que não ocorria desde 2002. A reta final da temporada do suíço, porém, não poderia ter sido mais positiva: 17 vitórias consecutivas e três títulos conquistados (Basileia, Paris e Londres). O recado está dado: aos 30 anos, o tenista mais vitorioso da atualidade está motivado, bem fisicamente e sem a menor intenção de abandonar a rotina de conquistas e recordes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.