Publicidade
Publicidade - Super banner
Tênis
enhanced by Google
 

Dispensado por Bellucci, Zwetsch é apoiado por demais convocados

Na minha opinião, é o cara certo para estar neste momento como capitão, opinou o veterano Ricardo Mello

Gazeta Esportiva |

Dispensado por Thomaz Bellucci em outubro, João Zwetsch deve seguir como capitão da equipe nacional na Copa Davis. Se foi preterido pelo número um do Brasil, o treinador conta com o apoio dos outros três convocados no último confronto do torneio por nações.

Com Zwetsch no comando, Ricardo Mello retornou à Copa Davis após três anos de ausência e participou da derrota por 3 a 2 no playoff diante da Índia no último mês de setembro, em Chennai. O experiente tenista de 29 anos aprova a permanência do ex-treinador de Bellucci no cargo.

"Ele é um bom técnico e já provou isso várias vezes. O João está na Copa Davis há vários anos (era auxiliar) e tem muita experiência. Com certeza, fez um bom trabalho na Índia. Na minha opinião, é o cara certo para estar neste momento como capitão", afirmou Mello.

Zwetsch também promoveu o retorno à equipe nacional de Bruno Soares, que passou cinco anos afastado da Copa Davis. Ao lado do companheiro Marcelo Melo, ele participou do triunfo por 5 a 0 contra o Uruguai em Bauru no mês de maio e da derrota frente aos indianos.

"Acho que o trabalho dele foi muito legal. Eu conheço o João já muito tempo e sempre nos demos bem. Faltou muito pouco para chegarmos ao Grupo Mundial. Eu gosto muito do estilo dele e acho que seria ótimo se ele continuasse como capitão", declarou Soares.

Convocado por Chico Costa em 2008 e 2009 ao lado de André Sá, Marcelo Melo foi mantido por João Zwetsch após trocar de parceiro. Assim como seus companheiros, o duplista elogiou o treinador. "Ele sempre tem coisas a acrescentar aos jogadores. Tivemos uma derrota normal contra a Índia e não vejo motivos para substituição", declarou.

Thomaz Bellucci e João Zwetsch trabalharam juntos entre o final de 2008 e outubro de 2010. Após o final da parceria, o tenista garante que o relacionamento é cordial. "A gente conversa normalmente e não tem mágoa nenhuma. Ele é o capitão da Copa Davis e continua tudo normal. Não trabalhamos mais juntos, mas a relação de amizade continua igual", afirmou.

Fora do Grupo Mundial desde 2003, quando ainda contava com Gustavo Kuerten, a equipe nacional perdeu nos playoffs de forma consecutiva entre 2006 e 2010. Em 2011, o Brasil espera pelo vencedor do confronto entre Uruguai e Colômbia. Se ganhar, tenta uma vaga na elite da Copa Davis novamente.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG