Tamanho do texto

No ATP 250 da Basileia, sérvio busca seu 11º título na temporada e derrotar o anfitrião Roger Federer, tetracampeão do torneio

Melhor tenista do mundo, o sérvio Novak Djokovic machucou as costas na final do Aberto dos Estados Unidos contra Rafael Nadal. Ele ainda tentou jogar a semifinal da Copa Davis, mas abandonou a partida contra o argentino Juan Martin Del Potro. Para não se sacrificar, ficou afastado do circuito por seis semanas, mas está de volta para disputar o ATP 500 da Basileia.

Na Suíça, ele busca o seu 11º título na temporada e derrotar o local Roger Federer, tetracampeão do torneio, como fez em 2009. Entre as conquistas, estão os Grand Slams da Austrália, Inglaterra e Estados Unidos. Com 64 vitórias e apenas três derrotas no ano, Djokovic garante que não se sente imbatível.

"Estou muito orgulhoso por esses feitos, mas eu sei o quão duro eu trabalhei ao longo dos anos e sempre acreditei que poderia fazer isso. Não me sinto imbatível e acho que ninguém é. É apenas uma questão de escolha nos momentos certos, da confiança que você vai construindo por vencer muitas partidas. Às vezes, quando está confiante, você vê a bola como uma melancia, sente-se bem em quadra e confia em cada jogada", declarou.

Desde a semifinal da Davis, Djokovic tratou diariamente as costas para estar preparado para o fim da temporada, que ainda conta com o Masters 1000 de Paris e o ATP Finals.

"Certamente vai demorar um pouco até que eu esteja em boa forma. Não espero estar 100% fisicamente nesse torneio, mas vou tentar", declarou o primeiro colocado do ranking, que estreia na Suíça contra o belga Xavier Malisse.