Cada país pode inscrever até três representantes na competição. Convidado, chance de Thomaz Bellucci aceitar participar é pequena

O brasileiro Ricardo Mello será um dos representantes do País nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, com início previsto para o dia 14 de outubro. João Zwetsch, capitão da equipe nacional na Copa Davis, é o responsável por convocar os jogadores para o torneio e confirmou a presença do atual 90º colocado no ranking da ATP no México.

"Guadalajara tem uma boa altitude (1.560m) e o Ricardo gosta muito de jogar nessa situação. Além disso, a quadra rápida é a que ele se sente melhor. É um tenista que já está num momento da carreira (tem 30 anos) em que se começa a pensar no que fazer depois e me falou que se motiva muito com a chance de tentar ganhar uma medalha no Pan", disse Zwetsch durante o workshop promovido pela CBT (Confederação Brasileira de Tênis) no último final de semana, em São Paulo.

No Pan de Guadalajara, além da disputa em simples, serão realizadas competições de duplas e duplas mistas. Cada país pode inscrever três representantes e o campeão ganha preferência na briga por um lugar nas Olimpíadas de Londres, em 2012. A ideia de Zwetsch é convocar um trio de especialistas em simples e formar as parcerias a partir deles.

"A busca da medalha é o maior objetivo do Pan-Americano. Em função disso, estamos formatando a equipe desta maneira: vamos ter três chances em simples, uma na dupla e outra, na dupla mista junto com uma das meninas", afirmou o capitão. Rogério Dutra da Silva, atual 135º do mundo, tem boas chances de participar.

João Souza, o Feijão, 127º da lista, pode completar a equipe. João Zwetsch consultou Thomaz Bellucci, 30º do ranking, e o técnico Larri Passos. A dupla ainda não respondeu oficialmente, mas a chance de o principal jogador do Brasil aceitar participar do Pan-Americano é pequena, já que o torneio não oferece pontos na lista da ATP e acontece perto do Masters 1.000 de Xangai.

"Para o Thomaz, jogar o Pan hoje é muito complicado pelos objetivos que ele tem, pelo momento que ele está vivendo na carreira e porque a data do Pan conflita com alguns torneios importantes para ele. A gente tem que respeitar a carreira do jogador. Falei com o pessoal da CBT sobre isso e eles compreenderam", explicou Zwetsch, ex-técnico de Bellucci.

Nas duas últimas edições dos Jogos Pan-Americanos, os brasileiros souberam explorar o nível técnico do torneio para garantir a medalha de ouro. Depois de Fernando Meligeni triunfar em Santo Domingo 2003 com direito a vitória sobre o chileno Marcelo Rios na decisão, Flávio Saretta foi campeão no Rio de Janeiro 2007.

"O Pan é um torneio de um nível em que os brasileiros podem ter sucesso. Eu tenho muita esperança no Ricardo. Acho que todos os três brasileiros vão com chance de medalha. O tenista está acostumado com as competições meio solitárias no Circuito e ser reconhecido no seu país em uma competição como o Pan é muito gratificante", encerrou Zwetsch.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.