Brasileiro admite que não quer enfrentar o suíço, mas aceita uma revanche na Copa Davis

Afastado do Grupo Mundial da Copa Davis desde 2003, quando ainda contava com Gustavo Kuerten, o Brasil tentará voltar à elite pelo sexto ano consecutivo entre os dias 16 e 18 de setembro. Thomaz Bellucci, tenista número 1 do País, 'foge' de um possível encontro com a Suíça de Roger Federer dentro de casa e aprova a possibilidade de reencontrar a Índia.

"Acho que seria legal para o público brasileiro ver o Federer jogar, mas, pensando em voltar para o Grupo Mundial, seria bem duro para a gente pegar o Wawrinka e o Federer, não seria tão bom para nós. Tem outros times mais fracos que poderiam dar uns confrontos melhores", disse Bellucci na tarde desta terça-feira, em São Paulo.

Contra Áustria, Chile, Croácia, Índia, República Tcheca e Suíça, Brasil joga como mandante. Diante de Rússia ou Israel, um sorteio define a sede do confronto. O time capitaneado por João Zwetsch conhecerá seu próximo adversário no torneio por nações nesta quarta-feira.

Atual número 3 do mundo e dono de 16 títulos de Grand Slam, um recorde, Federer nunca jogou na América do Sul e é tratado como um sonho pelos organizadores do ATP 250 da Costa do Sauípe. Ao lado de Stanislas Wawrinka, 16º da lista mundial, ele participou da vitória dos suíços contra Portugal, no último final de semana.

Dentre os possíveis adversários, Bellucci escolheu os dois mais viáveis. "Temos a possibilidade de pegar Israel ou Índia. Contra a Índia, dentro de casa teríamos muito mais chance do que tivemos fora. Com Israel, também temos grande chance se jogarmos no saibro, acho que levamos vantagem nisso", declarou.

Em 2010, Bellucci sofreu com o calor e a umidade de Chennai, na Índia. O Brasil chegou a abrir 2 a 0 no primeiro dia, mas os anfitriões ganharam três jogos consecutivos e viraram o duelo. Diante de Sondev Devvarman, o jovem não se sentiu bem e precisou abandonar o confronto, o que prova a importância de atuar como mandante.

"A gente espera jogar em casa. Nos últimos cinco anos, jogamos a maioria [dos playoffs] fora de casa [três vezes]. Dentro de casa é muito melhor pelo apoio da torcida e também porque a gente determina o piso e as condições. Isso é uma grande vantagem", disse Thomaz Bellucci.

Sem a poderosa dupla formada por Leander Paes e Mahesh Bhupathi, a Índia foi derrotada pela Sérvia, atual campeã, em seu último confronto na Davis. Bellucci não encara um possível reencontro como revanche, mas gosta da possibilidade duelar com os algozes de 2010.

"Revanche, não. Mas temos um time superior ao da Índia. As condições do confronto lá acabaram igualando muito o nosso time. Mesmo assim, tivemos muitas chances de ganhar. Acho que temos condição de ganhar de qualquer um dos nossos possíveis adversários. Não vejo uma equipe que seja muito superior à nossa", finalizou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.