Livre das lesões e treinada pelo irmão, Teliana revela cobrança: "Nunca alivia"

Por Mauricio Nadal - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Pernambucana que vem de uma família de tenistas e fez campanha história em Bogotá, falou ao iG sobre a relação com o irmão, a tietagem com os grandes tenistas e as metas do ano

Getty Images
Teliana Pereira é treinada pelo irmão, Renato Pereira

Recuperada de duas cirurgias de joelho, Teliana Pereira surgiu de vez para o Brasil na semana passada, após fazer campanha histórica no WTA de Bogotá. A brasileira surpreendeu e chegou à semifinal na Colômbia, quebrando um tabu que durava 23 anos no tênis feminino do Brasil.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

Renato Pereira, irmão e técnico de Teliana, é ex-tenista e foi o número 1494 do ranking da ATP, em 2007. Atualmente, eles viajam juntos pelo mundo afora e tentam conciliar a relação familiar e profissional.

Leia mais: Teliana é eliminada por alemã na estreia do WTA de Florianópolis

"Ele é muito duro, nunca alivia, mas isso é dentro de quadra, porque fora ele é irmão, precisamos saber dividir as coisas", revelou a tenista de 24 anos, em conversa por e-mail com o iG.

Nascida em Águas Belas, no sertão de Pernambuco, Teliana e sua família se mudaram para Curitiba quando ela ainda tinha sete anos de idade. O pai, ex-boia fria, começou a trabalhar em uma escola de tênis e a garota, junto de seus irmãos, viraram pegadores de bolinha. Além de Renato e Teliana, a família Pereira também tem José, de 22 anos, envolvido com o tênis. Ele é o atual 381 do ranking da ATP e busca espaço no circuito profissional.

Confira ainda: Rafael Nadal está fora do Masters de Indian Wells e de Miami, diz jornal

Antes de fazer história e chegar à primeira semifinal de torneio da WTA desde Luciana Corsato, em 1990, Teliana Pereira sofreu com contusões. A pernambucana foi submetida a duas cirurgias no joelho. Livre das dores e da fisioterapia, a tenista disse que não pensou em abandonar a carreira, nem nos momentos difíceis.

Getty Images
A tenista pernambucana foi derrotada na primeira rodada do WTA de Florianópolis


"Nunca pensei em parar, mas em alguns momentos era dificil acreditar em jogar sem dores, mas com muita fisioterapia e gelo o dia inteiro melhorou e não sinto mais. A familia e amigos foram fundamentais, foram as pessoas próximas que deram força e me incentivavam diariamente", comentou a tenista, eliminada na primeira rodada do WTA de Florianópolis na terça-feira.

Teliana ainda afirmou que sonha com Roland Garros nesse ano e se inspira na garra de Rafael Nadal e no estilo de Victoria Azarenka dentro das quadras.

Confira a entrevista com Teliana Pereira:

iG: Você conheceu o tênis aos sete anos, quando se mudou para o Paraná. Como foram os primeiros contatos com a raquete? O que lembra?
Teliana Pereira: Me mudei para Curitiba com 7 anos, meu pai foi trabalhar em uma academia de tênis, meu irmão mais velho começou a jogar e foi puxando toda a familia.

iG: Teve dificuldades para treinar na infância?
Teliana Pereira: Nunca tive dificuldades, morava do lado da academia, e treinava quando queria. Um ano depois de começar a jogar, eu já estava disputando torneios.

COB
Teliana Pereira foi bronze nas duplas no Pan-Americano do Rio 2007

iG: Você ganhou mais de quarenta posições pela campanha histórica em Bogotá. Qual a sua meta para os próximos torneios, em termos de ranking?
Teliana Pereira: O ranking é consequência dos bons resultados, então não me preocupo com isso e me concentro apenas em jogar meu melhor tênis e crescer a cada dia.

iG: Roland Garros é um objetivo próximo em 2013?
Teliana Pereira: Claro, estou muito perto de entrar direto na chave principal, vou me preparar muito bem para poder primeiro entrar na chave e, entrando, fazer uma boa campanha.

iG: Você passou por duas cirurgias no joelho. Ainda sente dores no local? Isso ainda te atrapalha de alguma forma?
Teliana Pereira: No começo foi difícil, muitas dores, muito gelo e fisioterapia, mas agora estou bem, depois de 3 anos me sinto 100%

iG: Pensou em parar durante o período em que ficou machucada? Como lida com as contusões?
Teliana Pereira: Nunca pensei em parar, mas em alguns momentos era dificil acreditar em jogar sem dores, mas com muita fisioterapia e gelo o dia inteiro melhorou e não sinto mais. A familia e amigos foram fundamentais. Foram as pessoas próximas que deram força e me incentivavam diariamente.

iG: Atribui a boa campanha em Bogotá a alguma mudança brusca nos treinos ou no psicológico?
Teliana Pereira: Não. Continuo fazendo o que venho fazendo a quase 2 anos. O apoio financeiro ano passado de alguns amigos ajudou e este ano, com o apoio do Correios e CBT, me fortaleci bastante para atingir meus objetivos.

iG: Como é ser treinada pelo irmão? Ele pega mais leve ou é mais duro por essa proximidade?
Teliana Pereira: Ele é muito duro, nunca alivia, mas isso é dentro de quadra, porque fora ele é irmão, precisamos saber dividir as coisas.

iG: Como vê esse assédio repentino da imprensa?
Teliana Pereira: Tento não me deixar influenciar com isso, eu sabia que um dia isso poderia acontecer, mas me sinto preparada e feliz, porque é sinal de que as coisas estão dando certo.

iG: Quem são os tenistas do circuito masculino e feminino que te inspiram dentro e fora das quadras e por quê? Já tietou algum deles?
Teliana Pereira: No masculino gosto do Nadal, pela garra, persistência e exemplo de jogador que ele é. No feminino a Azarenka, gosto do estilo de jogo dela. Tive a oportunidade de tirar foto com o Nadal e Djokovic em Wimbledon.

Leia tudo sobre: teliana pereiratênisrafael nadalvictoria azarenka

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas