Nadal minimiza problema na quadra e culpa ATP por bolas 'ruins' no Brasil Open

Por Mauricio Nadal - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Tenista espanhol poupou as quadras do complexo do Ibirapuera e atacou as bolas escolhidas pela ATP para o torneio

As quadras do complexo do Ibirapuera vêm sendo criticadas por uma série de tenistas nessa semana, porém as reclamações não foram endossadas pelo cabeça de chave número 1 do Brasil Open: Rafael Nadal. Após vencer o brasileiro João Souza, o Feijão, nesta quinta, o espanhol preferiu detonar as bolas escolhidas pela ATP (Associação dos Tenistas Profissionais) para o torneio.

Rafael Nadal vai conquistar o Brasil Open? Opine!

Gaspar Nóbrega/Inovafoto
Nadal estreou com vitória na disputa de simples do Brasil Open

"A quadra não está ruim. Quando se faz um torneio de última hora, é difícil que as condições sejam perfeitas, porque se monta uma estrutura somente para o evento, a tendência é que a superfície não saía perfeita, isso acontece no circuito", disse Nadal, que logo emendou críticas às bolinhas usadas na competição.

Leia mais: Nadal derruba ‘valente’ Feijão e está nas quartas do Brasil Open

"O problema não é a quadra, é a bola. Ela perde os pêlos rapidamente, é muito ruim. A culpa não é do torneio, mas sim da ATP, por permitir que se jogue com essa bola. O tênis não fica com uma qualidade tão boa. Repito, para mim, o torneio não tem nenhuma culpa, para mim a culpa é da ATP, que não tem capacidade e estrutura para fiscalizar isso", afirmou o tenista espanhol, número 5 do mundo. Vale lembrar que as bolas do torneio são fornecidos pela Wilson.

Nadal também disse que a bola já foi alvo de reclamações no torneio de Viña del Mar, no Chile, na semana passada. "Já no Chile, alguns jogadores reclamaram pelo fato de a ATP permitir uma bola assim". 

Tudo sobre o Brasil Open no blog do Paulo Cleto

Desde que chegou ao Brasil, Nadal deu duas coletivas e em ambas fez críticas à ATP. Na primeira, realizada na terça, o espanhol reclamou do excesso de torneios em quadras duras e disparou contra a nova regra de intervalo de 25 segundos entre os pontos. Já nesta quinta, foi a vez do número 5 do mundo falar mal das bolinhas escolhidas pela entidade para o Brasil Open.

Outro jogador indagado acerca das condições das quadras do complexo Ibirapuera foi Nicolás Almagro, tricampeão da competição. O compatriota de Nadal preferiu não polemizar. “Essa é a quadra que temos para jogar e temos que nos adaptar”, disse Almagro após vencer o chileno Paul Capdeville.


Leia tudo sobre: rafael nadalbrasil open 2013igsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas