Número um do mundo recebeu ameaça de morte pela internet e, apesar de ter tido uma preparação diferente e ter ido ao torneio sem sua família, diz se sentir seguro no país

EFE

Federer treina para o Masters de Xangai
AP
Federer treina para o Masters de Xangai

Após o tenista suíço Roger Federer ter recebido algumas ameaças de morte, a organização do Masters 1.000 de Xangai emitiu um comunicado nesta segunda-feira para ressaltar que todos os atletas que participam do torneio na China se encontram seguros e fora de perigo.

Deixe seu recado e comente com outros torcedores

"Estamos plenamente conscientes dos comentários que foram feitos e já estamos tomando nossas medidas. O Masters de Xangai conta com segurança para os jogadores, sendo que todas as precauções já foram tomadas para garantir que os atletas estejam salvos, cômodos e possam fazer o trabalho para o qual estão aqui: jogar tênis e oferecer a seus torcedores toda emoção de os verem em ação", assinalou a nota.

Leia mais: A pós ameaças, internauta envia pedido de desculpas a Federer

O suíço Roger Federer admitiu que sofreu ameaças de morte pela internet e que estas atrapalharam sua preparação para o torneio. "Planejo assassinar Federer no dia 6 de outubro para acabar com o tênis", escreveu um internauta no site "baidu.com". Usando um pseudônimo de "Gato Azul", o autor da ameaça também publicou uma fotomontagem em que Federer aparecia decapitado e de joelhos em uma quadra de tênis.

Federer explicou que, apesar de se sentir seguro, sua preparação havia sido diferente da habitual. "Evidentemente, pode ser um pouco perturbador, mas não há nenhuma apreensão. É preciso ser consciente de tudo o que se passa ao redor", afirmou o tenista suíço, que, no entanto, chegou a Xangai "nos últimos minutos" e sem sua família.

Homens fazem a segurança durante treino de Federer para o Masters 1000 de Xangai
AP
Homens fazem a segurança durante treino de Federer para o Masters 1000 de Xangai


O número um do mundo, que admitiu ter recebido ameaças dez dias antes de torná-las públicas, se mostrou um pouco decepcionado com a visibilidade do assunto. No entanto, ele reconheceu ter recebido amparo do governo chinês. "Me sinto seguro aqui. As autoridades foram geniais, e o governo, muito colaborador, me fez sentir muito bem recebido", completou. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.