Tamanho do texto

A pedido de amigos, dançou na quadra logo após ele e Bruno Soares derrotarem Alex Bogomolov Jr. e Teymuraz Gabshvili

O tenista Marcelo Melo encontrou um jeito inusitado de comemorar a classificação do Brasil ao Grupo Mundial da Copa Davis. A pedido de amigos, dançou na quadra logo após ele e Bruno Soares derrotarem Alex Bogomolov Jr. e Teymuraz Gabshvili, em São José do Rio Preto, e repetiu o gesto na entrevista coletiva posterior ao jogo. A parceria mineira derrotou a russa por 3 sets a 0, parciais de 7/5, 6/2 e 7/6 (9-7), neste sábado, e garantiu o retorno do País à elite do tênis.

O que achou da vitória brasileira sobre a Rússia? Deixe seu comentário

Com o punho fechado colocado sobre a testa e o braço dobrado em frente ao rosto, o duplista mineiro rebolou por pouco segundos, depois de ser incentivado por jornalistas e o capitão da equipe brasileira, João Zwetsch.

"Aquela dancinha... A gente tinha uma torcida particular. Vieram mais de 20 amigos nossos de Minas Gerais e alguns deles fazem essa dancinha. Aí eles falaram, 'se você ganhar, vai ser obrigado a fazer'. Não pude deixar de lado e fiz de brincadeira", disse em meio a risos.

A classificação do Brasil ao Grupo Mundial da Copa Davis é mais um capítulo de uma temporada proveitosa para Marcelo Melo. Depois de encontrar  dificuldades para ter regularidade sem um parceiro fixo no início do ano, ele passou a jogar com o croata Ivan Dodig e vive fase de bons resultados. Atualmente, ocupa a 19ª colocação do ranking mundial de duplistas, apenas uma atrás do melhor de toda sua carreira.

"Eu e o Bruno estamos tendo um ano muito bom, é praticamente um dos meus melhores até agora e considero esse um dos dias mais mais felizes da minha vida por trazer o Brasil para a primeira divisão de novo. Estando em casa, de novo do lado do Bruno, já vou aceitar como presente de aniversário, porque o meu é daqui cinco ou seis dias", afirmou o tenista, que completa 29 anos de idade apenas no próximo domingo, 23 de setembro.

O Brasil jogou o Grupo Mundial da Copa Davis pela última vez em 2003, quando ainda contava com o ídolo Gustavo Kuerten em sua equipe. Na ocasião, o time perdeu por 3 a 2 para a Suécia, fora de casa, e teve que jogar com o Canadá pela permanência na elite do tênis. Novamente longe de seus domínios, a equipe de Guga, Flávio Saretta e André Sá, capitaneada por Ricardo Acioly, perdeu por 3 a 2 e caiu para o Zonal Americano.

Desde então, o Brasil luta para retornar ao primeiro grupo do modalidade, o que só ocorreu com a vitória de Soares e Melo sobre os russos. Com o resultado, o País abriu 3 a 0 sobre o adversário em Rio Preto e garantiu a classificação antecipada. Nos seis anos anteriores, a equipe chegou aos playoffs, mas caiu diante de Rússia, Índia, Equador, Croácia, Áustria e Suécia.