Lukas Rosol, tenista número 100 do ranking da ATP, derrotou o espanhol nesta quinta-feira por 3 sets a 2

Lukas Rosol surpreendeu a todos ao vencer Rafael Nadal nesta quinta
AP
Lukas Rosol surpreendeu a todos ao vencer Rafael Nadal nesta quinta

O checo Lukas Rosol protagonizou nesta quinta-feira a maior zebra desta edição de Wimbledon. O tenista europeu, número 100 do ranking da ATP, venceu nada menos do que o espanhol Rafael Nadal por 3 sets a 2, parciais de 6/7, 6/4,6/4, 2/6 e 6/4, na segunda rodada do torneio londrino.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

A façanha da zebra da República Checa ganha mais destaque, pois Nadal é bicampeão de Wimbledon, vencedor do torneio em 2008 e 2010, e vem embalado do heptacampeonato histórico em Roland Garros, no início de junho.

Leia mais:  Murray sofre, mas bate Karlovic e vai à terceira fase de Wimbledon

Este foi o primeiro confronto entre os dois tenistas no circuito profissional de tênis. Rosol, de 27 anos, não tem títulos da ATP e disputa Wimbledon pela primeira vez na carreira. Na terceira rodada, o checo terá pela frente o alemão Philipp Kohlschreiber, que ocupa o 30º lugar da ATP.

Com a inesperada derrota, Nadal igualou sua pior campanha em Wimbledon, em 2005, quando também caiu na segunda rodada. Desde então, o espanhol somava cinco finais no Grand Slam britânico - só ficou de fora em 2009, quando não disputou o torneio.

Nadal vai ao chão após perder ponto para Rosol na derrota desta quinta
AFP
Nadal vai ao chão após perder ponto para Rosol na derrota desta quinta


Por ser o atual vice-campeão, Nadal perderá pontos preciosos ao fim do torneio. Assim, o suíço Roger Federer deverá reassumir a segunda colocação no ranking sem maiores sobressaltos se não protagonizar outra surpresa na competição.

O checo surpreendeu nesta quinta ao mostrar consistência em quase todos os fundamentos, principalmente no saque e nos golpes de backhand, a exemplo do número 1 Novak Djokovic. Ao todo, Rosol cravou 65 bolas vencedoras, contra 41 de Nadal. Os 16 erros não forçados do espanhol só confirmaram a consistência do rival, que falhou em 29 golpes, mas foi dominante na maior parte do jogo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.