iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Tênis

10/07 - 11:57

"Herdeiro" de Guga, Bellucci vai a Pequim para curtir o torneio

O tenista, de apenas 20 anos, não faz previsões para a sua primeira olimpíada e diz que está animado para viver a competição 

Por Aretha Martins, do iG Esporte

SÃO PAULO – No primeiro ano como profissional, em 2006, ele estava abaixo da posição 800 no ranking da ATP. Agora, dois anos depois e a um mês da Olimpíada de Pequim, é o melhor tenista brasileiro e já chegou a figurar no posto 67 da lista dos melhores do mundo. Este é Thomaz Bellucci, atual 68 do mundo. O paulista de 20 anos, maior candidato à herança de Gustavo Kuerten, é uma das esperanças de medalha para o Brasil nas quadras chinesas.

Bellucci garantiu a sua vaga nos Jogos ao bater o checo Tomas Berdych, que ocupava a 13ª posição no ranking, na melhor vitória de sua carreira. Foi o primeiro triunfo do brasileiro sobre um top 50 do tênis mundial. “A Olimpíada será a realização de um sonho. Será um torneio onde estarão os melhores do mundo, então o nível será muito forte”, diz Bellucci. A vitória sobre o checo deu a Bellucci sua melhor posição na carreira no ranking da ATP, a de número 67.

O paulista da cidade de Tietê ganhou o seu primeiro torneio profissional em 2007, o Future de Sorocaba. No mesmo ano, ainda ficou com o segundo lugar nos challengers de Bogotá e Cuenca. Em 2008, Bellucci começou o ano imbatível e levantou a taça nos challengers de Santiago, Florianópolis, Túnis e Rabbat. Com esses resultados, deixou todos os brasileiros para trás e se tornou o melhor tenista do país.

Entretanto, engana-se quem pensa que ser um dos 70 melhores do mundo com apenas 20 anos é um problema para Bellucci. “Não me sinto pressionado. O ranking é resultado de um trabalho que estamos desenvolvendo desde a pré-temporada”, afirma o brasileiro.

E será com essa tranqüilidade que Thomaz Bellucci irá aos Jogos Olímpicos. Lá, terá pela frente rivais como Roger Federer e Rafael Nadal e prefere não apontar favoritos às medalhas. “Todos os adversários serão difíceis, só espero estar bem preparado para enfrentá-los”, comenta. “Tenho que me preparar bem, chegar animado e viver o torneio”, completa. A Olimpíada terá uma novidade para os tenistas: pela primeira vez vai valer pontos no ranking aos três primeiros colocados (400, 280 e 205 pontos, respectivamente).

Uma dificuldade que o tenista de Tietê não encontrará na China será o piso. Todos os títulos conquistados nesta temporada foram no saibro, mas Bellucci admite que prefere jogar no piso rápido. Apesar da diferença das quadras, o brasileiro não está fazendo treinamentos especiais para os Jogos. “Não estou fazendo nenhuma preparação específica, apenas jogando o circuito”, explica.

Além de Thomaz Belluci, na Olimpíada de Pequim o Brasil ainda contará com a participação de Marcos Daniel, número 78 do ranking.

Primeiro Grand Slam rende elogios do “rei”
Thomaz Bellucci disputou neste ano o primeiro Grand Slam da sua carreira. Depois de conseguir a vaga no qualifying, ele estreou no torneio de Roland Garros contra Rafael Nadal, que venceu a competição pela quarta vez consecutiva. “Foi uma sensação diferente para mim. Foi bom tê-lo enfrentado na primeira rodada, na quadra central lotada”, conta.

O brasileiro deu trabalho ao número dois do mundo. Após de ter sua partida adiada em um dia e depois interrompida pela chuva após nove minutos de bola rolando, Bellucci equilibrou o primeiro set o foi o tenista que mais marcou pontos em um único set contra Nadal, considerado do "Rei do saibro".

No final, Bellucci perdeu por 3 sets a 0, com parciais de 7/5, 6/3 e 6/1, mas ganhou elogios do rival. “O Thomaz tem um bom saque, um bom golpe de direita e também um bom backhand”, destacou o espanhol após a vitória em Paris. “Fiquei muito contente por ele ter me elogiado. Deu para ter certeza que posso ir além”, garante Bellucci.

Segundo Grand Slam, primeira vitória
Thomaz Bellucci foi melhor no segundo Grand Slam de sua carreira. Jogando na grama, o brasileiro venceu o russo Igor Kunitsyn na estréia por 3 sets a 1, com parciais de 7/6, 7/6, 3/6 e 6/2. Essa foi a primeira vitória na grama no ano e a primeira conquista em um Grand Slam.

A festa do brasileiro, entretanto, durou pouco. Ele caiu na segunda rodada ao ser derrotado por 3 sets a 2 pelo alemão Simon Stadler, com parciais de 3/6, 6/3, 6/1, 6/7 e 8/6. Com esse resultado, Thomaz Bellucci ficou com a 68ª posição no ranking mundial.


Leia mais sobre: Gustavo Kuerten Roland Garros Wimbledon Thomaz Bellucci

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Getty Images

bellucci

Esperança em Pequim
Sem pressão nenhuma, Bellucci pode beliscar uma medalha para o Brasil na Olimpíada

Topo
Contador de notícias