iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Tênis

08/06 - 12:26, atualizada às 14:15 08/06

Sem perder set, Nadal atropela Federer e vira tetra na França

O triunfo no Aberto francês por parte de Rafa Nadal, iguala o de Bjorn Borg, que também havia vencido Roland Garros por quatro vezes consecutivas

Gazeta Esportiva

PARIS (França) - O início da temporada 2008 pode não ter sido bom para Rafael Nadal, mas nem por isso o espanhol deixou de manter a ‘tradição’ de vencer Roland Garros. Neste domingo, o número dois do mundo não deu uma chance sequer ao suíço Roger Federer, massacrou o líder do ranking de entradas da ATP por 3 sets a 0, com fáceis parciais de 6/1, 6/3 e 6/0, e se sagrou tetracampeão do Aberto da Austrália.

Nadal e Federer disputaram este ano a terceira final consecutiva na quadra Philippe Chatrier, e assim como aconteceu em 2006 e 2007 o dono da Copa dos Mosqueteiros foi o espanhol. Este ano, a campanha arrasadora do Rei do Saibro teve seu grand finale em uma apresentação de gala de 1h48 e com direito a pneu.

Foi a 11ª vitória do atual vice-líder do ranking contra o suíço da Basiléia, em 17 partidas disputadas entre os dois. Quando a superfície da partida é o saibro, no entanto, a vantagem de Nadal se torna ainda maior: 9 a 1. A única derrota do espanhol Federer no piso lento aconteceu em 2007, na final do Masters Series de Hamburgo, por 2/6, 6/2 e 6/0.

Cabeça-de-chave número dois em Paris, Nadal teve uma campanha arrasadora na edição 2008 do Aberto da França. O espanhol não perdeu um set sequer dos 21 disputados, além de ter sido batido em apenas 29 games. Os números fazem com que o tenista de Manacor repetisse os feitos de 1973 do romeno Ilie Nastase e de 1979 e 1980 do sueco Bjorn Borg, únicos tenistas da era profissional (pós-1968) a vencerem Roland Garros sem perder um set sequer.

Além disso, o Rei do Saibro conquistou um recorde nas quadras de Paris: foi o tenista que menos perdeu games durante a campanha do título: em sete partidas, Nadal foi superado em apenas 29 disputas, superando a marca anterior de Borg, que em 1980 cedeu apenas 32 games a seus adversários.

A campanha arrasadora do espanhol teve início diante do qualifying brasileiro Thomaz Bellucci, número 76 do mundo, que acabou como um dos adversários mais complicados para o tetracampeão do Aberto parisiense. O paulista de 20 anos complicou para Nadal no primeiro set, mas foi batido na primeira rodada por 7/5, 6/3 e 6/1.

Em seguida, o Rei do Saibro atropelou o francês Nicolas Devilder na segunda etapa por 6/4, 6/0 e 6/1. Na terceira rodada, Nadal despachou o finlandês Jarkko Nieminen, cabeça 26, por 6/1, 6/3 e 6/1. Novo massacre aconteceu nas oitavas-de-final, quando o espanhol eliminou o compatriota Fernando Verdasco, 22º favorito, com arrasadores 6/1, 6/0 e 6/2.

Nadal chegou a dizer que um dos únicos tenistas que poderiam vencê-lo no saibro de Roland Garros seria o também espanhol Nicolas Almagro, seu adversário nas quartas-de-final. Mas a vitória do Toro foi mais uma vez arrasadora: triplo 6/1. Nas semifinais, seu adversário foi o sérvio Novak Djokovic, melhor tenista de 2008, mas que acabou eliminado por 6/4, 6/2 e 7/6 (7-3). A trajetória foi coroada com o triunfo por 6/4, 6/3 e 6/0 sobre Federer.

O massacre
Desde o primeiro game da partida Rafael Nadal arrasou Federer, e já no primeiro game de partida aconteceu a quebra. O espanhol consolidou a derrubada de saque do suíço logo em seguida ao encaixar seu serviço logo em seguida, após salvar um duplo break point do rival e abrir 2/0 no placar.

Com mais confiança, força e disposição do que Federer, o espanhol voltou a derrubar o serviço do rival no quinto game. Com muita tranqüilidade, Nadal abriu se aproximou ainda mais de abrir 1 sets a 0 na decisão quando ampliou sua vantagem para 4/1, confirmou seu serviço em 5/1 e jogou ainda mais pressão para o lado do número um do mundo.

Mesmo com a iminência de vencer o primeiro set, Nadal não baixou o ritmo nem no sétimo game da partida e mais uma vez venceu o serviço do rival. O espanhol conquistou a primeira parcial do domingo com 6/1, em apenas 32 minutos de ação.

O segundo set começou da mesma forma que o anterior: com uma quebra do Rei do Saibro no primeiro game de serviço do suíço. Nadal também abriu 2/0 no placar, mas acabou cedendo seu saque na seqüência e permitiu que Federer chegasse ao empate pela primeira vez no domingo.

A igualdade entre os dois permaneceu até o sétimo game, quando o número um do mundo teve mais uma chance de quebrar o saque do espanhol. Nadal conseguiu se recuperar e salvar o break point antes de abrir 4/3 na parcial. No oitavo game, o tenista de Manacor derrubou o serviço de Federer pela quarta vez na partida e chegou aos 5/3, sacando na seqüência e consolidando o 6/3.

A motivação do número um do mundo, que já era pouca, acabou no terceiro set. Irreconhecível e até certo ponto displicente, Federer não ofereceu resistência alguma a Nadal, que pela primeira vez na carreira aplicou um ‘pneu’ (6/0) em 17 partidas contra o suíço.

A facilidade com que o Rei do Saibro venceu o terceiro set e a decisão fez com que um lance pouco comum fosse visto para uma final de Grand Slam: Nadal pouco vibrou quando o suíço mandou a bola para fora no sexto game do terceiro set, e a comemoração de seu quarto título acabou dando lugar à expressão desolada do gigante tombado Roger Federer.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo