iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Tênis

08/06 - 21:06

Nova número um, Ivanovic não quer que sucesso suba à cabeça
Primeira tenista da Sérvia a vencer um Grand Slam e mais nova número um do circuito feminino, Ana Ivanovic quer continuar seguindo sua vida normalmente depois de se tornar campeã de Roland Garros neste sábado. Sempre carismática, a musa balcânica avisou que o que menos quer na vida é se tornar uma pessoa arrogante em decorrência de seu sucesso dentro das quadras.

Gazeta Esportiva

“Durante meu crescimento, vi muitas pessoas entrando no circuito profissional e mudando seus jeitos de agir porque começam a ganhar fama”, declarou Ivanovic. “Sempre disse que não quero me tornar esse tipo de pessoas e sempre pedi para meus familiares, amigos e comissão técnica: ‘veja se estou agindo de forma estranha, me dê um toque e me traga de volta’. É importante ser a mesma pessoa sempre”, comentou.

E Ivanovic vem sendo a mesma pessoa? O carisma, que fez dela uma das tenistas mais adoradas do circuito feminino, pareceu não mudar. Isso porque logo depois de entrar em uma sala no setor subterrâneo da quadra Philippe Chatrier, a nova campeã de Roland Garros se sentou na ponta de uma mesa e não deixou de lembrar das raízes familiares.

“É melhor eu não sentar aqui no final da mesa. Minha avó sempre me disse aquele ditado de que, se você sentar na ponta, nunca vai casar. É estranho, não é?”, brincou a musa de 1,85m.

Ivanovic, no entanto, foi obrigada a mudar pelo menos um pouco a sua forma de agir. E, de acordo com a própria tenista, foi isso que lhe deu o título de Roland Garros, coroado no sábado com a vitória por 6/4 e 6/3 sobre a russa Dinara Safina na decisão.

“Vivi um momento difícil antes de vir para Paris, pois me encontrei em uma fase complicada com muitas expectativa e pressão em cima de mim”, destacou a sérvia. “Fui em busca de algo que me ajudasse a ficar mais calma. Meu preparador físico me ajudou a fazer um trabalho específico de respiração e também uma preparação para que eu não tivesse muitos pensamentos negativos”, emendou.

Uma das coisas negativas que Ivanovic teve que afastar foi a ansiedade de se tornar a melhor do do mundo. Embora soubesse que suas chances se tornaram maiores após a aposentadoria de Justine Henin, a sérvia se obrigou a não pensar fixamente no ranking, mas sim em cada partida.

“Pensei que poderia me tornar sim a número um, mas que seria muita coisa para mim. Fiquei pensando tanto nisso que acabei sendo eliminada do Torneio de Roma”, revelou. “Então achei melhor esquecer essa idéia e continuar aproveitando a minha paixão pelo tênis, como sempre fiz. Eu sabia que, se jogasse bem, a colocação no ranking viria”, concluiu.

Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo