iG analisa os 16 dias de competição. Ingenuidade e simpatia dos mexicanos para torcer foi contraste com problemas de organização

Uma torcida empolgada, que vibrava em finais B de natação como se um mexicano disputasse o ouro. Os Jogos Pan-Americanos de Guadalajara talvez fiquem na memória como o evento que devolveu ao México o prazer de torcer para valer – desde a Copa do Mundo de 1986 que o país não recebia uma competição importante e atletas de renome (apesar de algumas modalidades estarem esvaziados pelo fato de o time dos EUA não comparecer com a força máxima).

Leia também: Brasil mantém terceiro lugar, mas piora em 18 modalidades

Foram gastos R$ 2,3 bilhões, contanto construções, reformas e custo de organização. O valor foi abaixo do que foi gasto no Rio de Janeiro (R$ 3,7 bilhões), Pan que, segundo o COB (Comitê Olímpico Brasileiro), fez aumentar a exigência para essa competição.

“A competição foi um sucesso de organização, ficamos satisfeitos com o andamento e com a empolgação dos mexicanos. Qualquer risco de que algo pudesse dar errado foi dissipado nessas duas semanas”, disse Mário Vazquez Raña, presidente da Odepa (Organização Desportiva Pan-Americana), responsável pela realização do Pan desde 1951.

Leia também: Conheça as revelações brasileiras do Pan 2011

Os elogios previsíveis de Raña na empolgação do fim de um evento de grande porte não escondem que também houve problemas. Alguns equipamentos tiveram falhas, o trânsito caótico não foi aliviado com a criação de um corredor pan-americano e a desinformação dos milhares de voluntários era o contraste da simpatia de todos.

O iG acompanhou de perto os Jogos Pan-Americanos e lista o que de bom e o que de ruim aconteceu nos 16 dias de competição. Em 2015, já está confirmada para Toronto, no Canadá, e em 2019 quatro cidades querem o Pan: Santiago (Chile), Lima (Peru), Bogotá (Colômbia) e uma cidade norte-americana não divulgada.

Ginásios e estádios para as competições
Os construídos especialmente para o Pan eram modernos, mas aconteceram problemas em alguns equipamentos . O parque aquático foi escolhido para sede do Mundial de Desportes Aquáticos de 2017 e fez com que o governador de Jalisco, Emílio Marquez, sonhasse até com uma Olimpíada (2024) por causa do sucesso que a piscina fez inicialmente.

Só que houve muitos problemas básicos, como os cronômetros falharem insistentemente , deixando os nadadores no escuro ao final de suas provas. A ponto de Cesar Cielo, ao vencer os 50 m, esperar mais de um minuto para a confirmação do tempo – mais do que o tempo que leva para completar o percurso –, o que o fez evitar a típica comemoração de subir na raia e bater no peito. A piscina de soltura (para antes e pós-provas) era muito gelada e fez alguns atletas ficarem gripados.

Confira como ficou o quadro de medalhas do Pan

O estádio atletismo foi entregue poucos dias antes do Pan, e se do lado de fora era muito bonito, por dentro parecia uma casa em reforma. Escadas à mostra, cheiro de tinta e caixas jogadas em todos os cantos mostravam que tudo foi entregue às pressas , em razão de uma briga política que fez com que o local de construção mudasse três vezes e as obras atrasassem.

Atletas reclamaram de falta de água nas torneiras da Vila Pan-Americana
Vicente Seda
Atletas reclamaram de falta de água nas torneiras da Vila Pan-Americana
O moderno estádio Omnilife, que pertence ao Chivas Guadalajara, está entre os mais modernos da América Latina, mas tem grama sintética , o que serviu como uma desculpa dos brasileiros pela eliminação na primeira fase do futebol masculino. Os ginásios intermediários foram reformados, cadeiras foram colocadas, mas são equipamentos antigos – alguns tinham problema de goteiras, como de handebol.

Vila Pan-Americana
Distante mais de 30 km do centro de Guadalajara, gerou reclamação por ser longe de boa parte dos ginásios (a organização não conseguiu criar um Parque Pan-Americano, também por divergências entre estado e prefeitura, para centralizar os esportes). Houve também falta de água para os atletas por diversos dias, já que a Vila foi construída em área ambiental que não tinha rede de esgoto e tratamento de água até poucos meses atrás.

Veja ainda: Todos os medalhistas de ouro do Brasil em Guadalajara

Trânsito
O governador Emílio Marquez, do PAN (Partido da Ação Nacional) decidiu a criação do “carril Pan-Americano”, que seria uma faixa exclusiva para carros credenciados e ônibus que levariam torcedores, já que os equipamentos tinham distância de até 30 km um do outro. Para que a ideia funcionasse, exigiu que os motoristas “normais” que invadissem a faixa fossem multados.

O prefeito Jorge Aristóteles Sandoval, do rival PRI (Partido Revolucionário Institucional), que tenta retomar o poder nacional, vetou a multa. Resultado: filas intermináveis de carros e ônibus nas faixas pintadas de vermelho, e que seriam exclusivas do Pan.

Arbitragem
Problemas, principalmente nas modalidades de lutas. No judô , muita reclamação que os juízes marcavam vários shidos (punição por falta de combatividade) para evitar empates e decisão na bandeira. A equipe feminina do Brasil, que deixou Guadalajara sem ouros, reclamou bastante.

Na luta , brasileiros questionaram juízes em semifinal e no taekwondo o medalhista de bronze Márcio Wenceslau questionou os pontos não marcados, “É preciso dar um tiro para que um ponto seja marcado”, questionou Wencelau.

Confira a galeria de imagens da cerimônia de encerramento do Pan:

Ingressos e estádios cheios
A venda superou a expectativa da organização. Foi quase um milhão de bilhetes vendidos, em uma estratégia de ingressos mais baratos para ter arenas cheias . Não havia muitos turistas em Guadalajara exclusivamente para a competição, portanto 80% dos bilhetes foram para mexicanos realmente.

“Foi um grande sucesso. Isso foi uma estratégia do comitê. Queríamos todos os locais de competição cheios. Colocamos um preço baixo, se for ver a média do preço dos ingressos era de cerca de US$ 9 (R$ 16), mas foi uma escolha. Achamos melhor encher as arenas do que gerar muita receita com isso”, disse. A arrecadação com ingresso foi de R$ 20 milhões.

A torcida mexicana era empolgada, mas ingênua em certos momentos. Em uma final B da natação, por exemplo, torceu pela mexicana como se ela fosse ganhar o ouro – muitos realmente achavam que haveria medalha.

Torcida lota a arena de vôlei de praia na final da modalidade
Getty Images
Torcida lota a arena de vôlei de praia na final da modalidade

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.