Tamanho do texto

Carreira da atleta é marcada por problemas, que vão de lesões a doping. Em maio ela perdeu um bebê

Na maca, ainda no complexo de vôlei dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara , a ponta Jaqueline chorava, imobilizada depois de sofrer a pancada na cabeça. Provavelmente não ouvia que pelo menos 20 torcedores mexicanos desejavam a ela boa sorte. “Força, Jaque”, gritou um deles, puxando palmas assim que ela era colocada na ambulância que a levou ao hospital Real San Jose. Os exames apontaram uma fratura na coluna cervical, que tirou a jogadora do Pan. Não há prazo para seu retorno às quadras - a princípio está descartada cirurgia, mas ela segue em observação no hospital.

VEJA TAMBÉM: Com drama de Jaqueline, Brasil estreia com vitória

Mais um capítulo da dramática carreira da pernambucana de 27 anos, que pode ser resumida pela frase da líbero Fabi: “A Jaqueline é um pouco mais sensível”, disse a companheira, que foi a responsável involuntária pelo trauma na cabeça ao se chocar com Jaque no início do segundo set da partida contra a República Dominicana (as brasileiras venceram por 3 a 1). De lesões a doping e perda de um bebê (ela é casada com o também jogador de vôlei Murilo, um dos destaques da seleção masculina), a carreira da atleta é marcada por problemas, o que explica a preocupação de membros da comissão técnica assim que ela caiu na quadra ao chocar a parte de trás da cabeça com a testa de Fabi.

LEIA TAMBÉM: Jaqueline tem lesão na coluna cervical e está fora do Pan-Americano

“Eu segurei sua mão e vi que estava movimentando, que estava bem. Foi um alívio, porque assustou vê-la caída, aparentemente inconsciente”, disse o técnico José Roberto Guimarães.

Revelada pelo Sport Recife, Jaqueline foi indicada por olheiros para o BCN Osasco, um dos principais times do país no início dos anos 2000, e em 2001, aos 17 anos, já fazia parte da seleção juvenil. Com 1,86m e 70kg, chamou a atenção, em um primeiro momento, pela beleza, mas depois se firmou em grandes clubes, dentro e fora do Brasil, e na seleção por suas qualidades técnicas.

Confira como está o quadro de medalhas do Pan-Americano 2011

Foram quando começaram os problemas físicos. Em 2002, teve uma lesão de ligamento no joelho direito e precisou operar. Foram seis meses se recuperando e, no segundo jogo após a volta, nova ruptura, no mesmo joelho, e mais uma operação. No período de recuperação, foi descoberta um problema de circulação sanguínea em sua mão e ela não disputou o Mundial, no final de 2002.

Ascensão e doping
Bem fisicamente, e recuperada das cirurgias, Jaqueline se firmou titular da seleção, foi jogar na Itália e esteve na campanha do vice-campeonato mundial de 2006, considerada a melhor brasileira na competição. Quando se preparava para ser uma das estrelas dos Jogos Pan-Americanos de 2007, no Rio de Janeiro, veio a confirmação do doping. Em coleta no seu time, o Scavollini Pesaro, foi encontrada a substância proibida sibutramina. Ela se defendeu afirmando que tomou um chá contra celulite, mas acabou suspensa por nove meses, o que a deixou fora do Pan.

A defesa da atleta mudou e afirmou que ela havia ingerido um remédio para emagrecer chamado CLA, que contém não deveria conter a sibutramina, mas foi contaminado. Confirmada a teoria, sua suspensão caiu para três meses e ela pôde disputar e conquistar o ouro nas Olimpíadas de Pequim, em 2008.

Em fevereiro de 2011, nova cirurgia no joelho, desta vez mais simples, uma artroscopia no joelho esquerdo, para corrigir problema na cartilagem. Três meses depois ela anunciou a gravidez e que pararia de jogar por um ano para se dedicar ao filho. Duas semanas depois do anúncio, antes ainda do terceiro mês, Jaqueline perdeu o bebê.

Ela resolveu então voltar a jogar por seu time atual, o Sollys Osasco, e pela seleção brasileira. Com a confirmação de que José Roberto Guimarães levaria o time principal ao Pan, teria a chance de disputar a competição que perdeu em 2007. O desejo, porém durou pouco mais de dois sets.

“Esperamos vê-la ainda o quando antes na Vila Pan-Americana”, disse Fabi. Ela ainda não sabia que a pancada tinha sido um pouco mais grave do que o imaginado.

Apesar do susto, seleção brasileira venceu a República Dominicana por 3 sets a 1
Desmond Boylan/Reuters
Apesar do susto, seleção brasileira venceu a República Dominicana por 3 sets a 1