Publicidade
Publicidade - Super banner
Pan
enhanced by Google
 

Romário defende que ministro perca cargo se denúncias se confirmarem

Deputado dispara contra a Fifa e faz balanço pessimista da preparação para a Copa 2014 e comenta situação de Orlando Silva

Vicente Seda, enviado iG a Guadalajara |

O ex-jogador e atual deputal federal Romário, que está nos Jogos Pan-Americanos como comentarista da Rede Record, concedeu entrevista coletiva no centro de imprensa do Jogos e, bem ao seu estilo, não poupou críticas aos preparativos do Brasil para a Copa do Mundo . O ex-jogador foi contundente ao comentar as denúncias de desvio de verbas por parte do ministro dos esportes, Orlando Silva, e afirmou, além de achar difícil a mídia brasileira divulgar em horário nobre uma notícia que não seja verdadeira, que se tudo for definitivamente provado, Orlando Silva não tem mais “capacidade moral” para ocupar a pasta. Indagado se aceitaria ser ministro, Romário disse que ainda não, pois não acredita ter capacidade administrativa para tal por enquanto.

Em português e espanhol, o Baixinho falou também sobre Messi e lembrou os seus tempos de jogador, quando a humildade nunca foi o seu forte. “Para um jogador entrar para a história do futebol mundial, tem de primeiro conquistar uma Copa. O Messi primeiro precisa ser um Maradona, para depois ser um Romário e para então pensar em ser Pelé”. Sobre as negociações do governo com a Fifa, ele defendeu uma postura firme da presidente Dilma Rousseff e afirmou que a entidade quer os lucros, mas nenhuma responsabilidade.

Confira abaixo os melhores trechos da entrevista de Romário em Guadalajara:

Balanço da preparação para a Copa 2014

“A nossa comissão, que é de turismo e desporto, esteve em 11 das 12 sedes, na primeira semana de novembro é a última, São Paulo. E o meu balanço não é muito positivo. Temos problemas nas 11 no que diz respeito à mobilidade urbana. Creio que o Rio, porque começou antes, está mais preparado. Mas, por outro lado, o Rio terá problemas com aeroportos, as obras em alguns começaram tarde, outras nem começaram. Quatro ou cinco estádios devem estar prontos para a Copa das Confederações. Se o andar das obras continuar como está, infelizmente, acredito que apenas nove ou dez estarão prontos para a Copa, sendo seis ou sete realmente 100% prontos. Vamos sediar a Copa, vamos tentar fazer uma grande Copa, mas o que vi hoje indica que será um pouco complicado, teremos alguns problemas”.

Negociações do governo com a Fifa

“Realmente a lei geral da Fifa que chegou para a Câmara tem muitos problemas. A Fifa, dona do espetáculo, quer apenas levar os lucros e não ter nenhum tipo de prejuízo, ou nenhum tipo de responsabilidade. Isso é ruim, é errado. Sobre a bebida, eu particularmente não bebo, vamos falar da cerveja. Em alguma situações foi proibida, outras não. Farei uma emenda para que não seja proibida, mas com uma fiscalização redobrada, para quem vai beber nos jogos e aqueles que vão chegar alcoolizados nos jogos. Isso pode ser um grande problema, porque você proíbe no jogo e o cara já chega alcoolizado. O que não sou a favor é que essa cerveja seja da Fifa. Ela exige que os bares ao redor só vendam bebidas das empresas que tem contrato. Isso é ridículo, não existe. Claro que não posso garantir que isso não vá acontecer, mas vou trabalhar para isso”.

Hilton Mattos
Deputado Romário é um crítico da organização da Copa
Meia-entrada

“Existe uma conta que a Fifa pode ter um lucro de 3 a 4 bilhões, e fez uma conta de 180 milhões que seria o valor das meias-entradas (Romário não citou reais ou dólares quando falou os valores). O Brasil tem de se colocar no seu lugar, a Dilma tem de colocar que quem manda no Brasil é o presidente da República, com as leis federais. De lá para cá (de quando o país foi escolhido como sede), muitas coisas mudaram, leis foram adaptadas e a Fifa tem de entender isso. Quero ver exatamente o que os Estados Unidos abriram mão para que a Copa acontecesse lá (em 94). Tenho certeza que 80% dessas exigências não existiram”.

Leia também: Romário defende Ney Franco como técnico nas Olimpíadas de 2012

Deputado e comentarista

Foi feito o convite para poder participar como comentarista, tive essa experiência há oito anos, mas do Brasil. É a primeira oportunidade de comentar como único comentarista e no país de origem da competição. Fui liberado pela Câmara, não estou sendo remunerado pela TV, tenho um contrato de convite, deixarei de receber os meus direitos como deputado nesses 15 dias que me ausentarei, mas vou abrir mão do meu salário do mês inteiro, porque entendo que deputado, se não trabalha o mês inteiro, não pode receber. Não sou demagogo, não faço graça com ninguém, mas acho que isso seria um afronto”.

Neymar no Real Madrid

“Sobre o Neymar , não o conheço pessoalmente, mas é um jogador que tem qualidade para jogar numa equipe como o Real Madrid . Foi um dos grandes nomes do futebol nos últimos dois anos no Brasil e acredito que com a camisa do Real será o mesmo que vem sendo nos Santos e na seleção”.

Contaminação da carne mexicana no Mundial Sub-17

“Não é exatamente um doping. Não aconteceu só com esportistas. É um surto que passa pelo país. Não posso classificar como um doping. Sou 100% contra o uso de algo que faça sua qualidade melhorar. Pelo que ouvi, não é exatamente um doping”.

Rivais do Brasil no Pan

“A seleção mexicana nos últimos cinco anos é uma das melhores das Américas. É melhor que Argentina, Uruguai, são jogadores talentosos e que podem vestir camisas de muitos clubes do mundo. No Pan vai mostrar serviço, o Brasil terá dificuldades para jogar com México e Argentina”.

E ainda: Romário revela traição de Ricardo Teixeira e diz que Zagallo foi um técnico fraco

AP
Sem repetir o bom desempenho do Barcelona na Argentina, Messi também foi assunto para Romário
Messi x Pelé

Messi hoje é o melhor jogador do mundo, e foi nos últimos três ou quatro anos. Independentemente de ter ganhado o prêmio da Fifa. Mas não há como comparar a Pelé. Qualquer jogador que não tenha um título mundial com a camisa do país não pode dizer que está na história do futebol mundial. Ainda tem muita coisa, primeiro tem que ser um Maradona, depois chegar a um Romário e aí sim pensar em ser um Pelé. Se Pelé mandar os seus vídeos, Messi vai aprender muito”.

Desempenho de Messi na Argentina

“Simples e fácil. Eu quando jogava pela Seleção, o Pelé, Maradona, o Ronaldo, os jogadores atuavam para nós, pois éramos os melhores. Isso não acontece com Messi na Argentina. Os jogadores, por mais que gostem de Messi, não jogam para ele. Há muitos medalhões, que às vezes acham que podem ser mais do que são e não jogam para Messi. Quando um técnico colocar na cabeça dos jogadores que têm jogar para Messi, o resultados virão”.

Outros esportes que assistirá no Pan

“Gosto de vôlei de praia, de patinação, basquete, tênis de mesa... Se o meu chefe deixar, vou ver”.

Dificuldades como jogador e como deputado

“Não fui só um jogador, fui um grande jogador. Quando joguei no Barcelona era fácil, em equipes de pouca qualidade era mais difícil. Como político acho que estou me saindo bem. Tenho duas obrigações: com as crianças que saem das favelas que estão agora que estão sendo viciadas com crack, uma droga que invadiu nosso país. A segunda defendo desde que entrei na política, que é o objetivo de ajudar as crianças com deficiência, como a minha filha, que tem Síndrome de Down. Estou feliz pelo que faço em Brasília e ficarei mais três anos”.

Siga o iG Esporte no Twitter e receba notícias, vídeos e opinião em tempo real

Denúncias contra Orlando Silva

“Tenho uma boa relação com o ministro Orlando Silva e se isso tudo for comprovado, com certeza ele não tem mais capacidade moral de ser o ministro dos esportes do Brasil. Principalmente neste momento que o Brasil respira esporte. Se for decidido que ele é culpado, ele tem de ser afastado. Sou mais humilde, me coloco no meu lugar, não tenho capacidade administrativa para comandar uma pasta como ministro dos esportes. Não que um dia eu não tenha, posso chegar lá. Se ele sair, a Dilma irá colocar alguém com capacidade para esta pasta”.

Explicações de Orlando Silva ao Congresso

“Em relação à ida dele ao Congresso, foi iniciativa dele. No mínimo é um político de personalidade. Não posso dizer se ele é culpado ou não, não tenho capacidade juridicamente para falar isso. Existem algumas empresas no nosso país que são renomadas e têm obrigação de colocar a verdade. Eles não colocariam nos horários nobres coisas que não são verdadeiras. Acredito que ida do ministro à Câmara possa trazer alguma coisa de positivo e talvez eu possa tirar algumas conclusões. Não estou aqui de férias, tenho a obrigação de continuar meu papel de deputado federal. Estou atento, nada passará em branco”.

Convocações de Mano Menezes

“Vejo os jogadores que o Mano convocou, eu convocaria mais ou menos 70%, 80%. O Brasil não jogou como deveria jogar, como nós desejamos e como pode jogar. Mano é um bom profissional e precisamos dar mais tempo. Ele não faz mal algum ao futebol brasileiro”.

Leia tudo sobre: pan 2011copa 2014romárioseleção brasileirafutebol

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG