Brasileira é derrotada por atleta norte-americana e taekwondo brasileiro se despede dos Jogos Pan-Americanos com apenas um bronze

Principal esperança de medalha dourada do taekwondo brasileiro nos Jogos Pan-Americanos , Natália Falavigna foi eliminada logo na estreia. Nas quartas de final da categoria acima de 67 kg, ela enfrentou a norte-americana Lauren Hamon e perdeu na decisão dos juízes, após o "golden score", que terminou empatado em 1 a 1.

Leia também: Márcio Wenceslau compara nível do taekwondo no Pan com o das Olimpíadas

A derrota de Falavigna faz o taekwondo brasileiro se despedir do Pan de Guadalajara com apenas uma medalha de bronze, vencida por Márcio Wenceslau no sábado, na categoria até 58 kg . O desempenho é bem inferior ao da edição do Rio de Janeiro, em 2007, quando foram conquistadas quadro medalhas: uma de ouro, duas de prata a e uma de bronze.

O início da luta foi muito pouco movimentado. As duas competidoras não conseguiram encaixar um golpe sequer durante o primeiro round e não alteraram o placar. Nos três minutos seguintes, a situação foi a mesma: nada de pontuação e o empate persistiu.

Leia também: Diogo Silva perde nas quartas de final e dá adeus ao sonho do bi no Pan

No último round, a americana enfim tirou o zero do marcador, mas Falavigna contou com uma punição da arbitragem à adversária para igualar novamente a luta. Não houve mais pontuação no restante do tempo regulamentar e a decisão do vencedor do confronto foi para o “golden score”.

Nenhum golpe foi encaixado nos dois minutos de desempate. Com a persistência da igualdade no placar, coube aos árbitros a definição de quem avançaria à fase seguinte. E a decisão deles foi em favor da norte-americana.

Falavigna, prata do Pan em 2007 e bronze nos Jogos Olímpicos de Pequim em 2008, termina sua participação em Guadalajara sem medalha. Após a luta, a atleta, que estava sem competir havia quase dois anos, afirou que estava triste pela derrota, mas feliz pelo retorno ao tatame.

"Foi um pouco difícil, deu pra ver que estou sem tempo e sem ritmo, mas estou feliz de estar de volta", disse Falavigna à TV Record. "Fiquei dois anos longe e juntando forças para voltar. Sabia que seria difícil. Sabia da minha responsabilidade e infelizmente não deu. Com o treino, vou pegar o jeito de novo, principalmente o tempo dos golpes. Estou triste porque não gosto de perder, mas estou feliz porque consegui uma vitória que foi voltar. Alguns acreditaram que não seria mais atleta."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.