Tamanho do texto

Essa não foi a primeira falha técnica na competição. Durante as eliminatórias dos 100 m borboleta feminino, o equipamento falhou

Para uma modalidade que exige o máximo de concentração e uma programação bem detalhada dos atletas, a natação do Pan-Americano de Guadalajara 2011 vem causando transtornos demais para seus competidores. Nesta terça-feira, o placar eletrônico do complexo do Centro Aquático Scotiabank sofreu um apagão durante as eliminatórias dos 200 m livre, deixando os nadadores à espera. Mais tarde, ele voltou a atormentar duas nadadores brasileiras.

Veja também: Início de Pan tem problemas em equipamentos, e atletas reclamam

Depois da conclusão da segunda bateria dos 200 m livre, o equipamento apresentou falhas e ficou por mais de dez minutos sem funcionamento, esfriando o público local, antes da terceira série se iniciar.

Acompanhe o blog do Rogério Romero

Mais tarde, duas brasileiras também tiveram problemas, sem verem seus tempos computados. Gabriela Rocha e Sarah Corrêa , ambas nos 800 m livre, encerraram a prova e o relógio não mostrou o desempenho das competidoras. Após alguns minutos de espera, a organização arrumou o placar e as atletas puderam avaliar suas marcas.

Conheça os atletas brasileiros da natação

Tanto Gabriela (12º) quanto Sarah (15º) não conseguiram avançar na competição. As brasileiras terminaram a prova em 9min13s74 e 9min27s34, respectivamente. Vale lembrar que somente as oito melhores colocadas seguiam para as finais.

O primeiro susto
Essa não foi a primeira falha técnica na competição . Durante as eliminatórias dos 100 m borboleta feminino, a brasileira Daynara de Paula bateu em primeiro, mas tomou um susto ao ver que seu nome não aparecia no placar. Ela encerrou a prova, e seu tempo continuou correndo. Preocupada, foi retirada por um voluntário da piscina, mas na revisão se classificou para a final e acabou ganhando a medalha de prata.

“Assustei, porque imaginei que poderia dar algum problema. Você treina tanto e não seria justo deixar de ganhar algo por problemas técnicos”, disse Daynara. Outro problema apontado no parque aquático é com o bloco de partida, que não apresentaria a aderência adequada.

Veja como está o quadro de medalhas

Na final
Na prova dos 200 m livre, o brasileiro André Schultz conseguiu a classificação para a final, com o tempo de 1min50s96 obtido na primeira bateria das eliminatórias. Ele foi o segundo mais rápido em sua série, atrás do norte-americano Matthew Patton, que conseguiu a melhor marca do dia, com 1min50s09, e o sexto no geral. Nicolas Oliveira, na mesma prova, ficou apenas em terceiro, com 1min52s65, em terceiro, com um tempo muito abaixo do esperado, e acabou eliminado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.