Publicidade
Publicidade - Super banner
Pan
enhanced by Google
 

O 4º dia em Guadalajara: O recorde ficou para depois

O assunto foi aquele de sempre: o recorde de ouros é de quem, Thiago ou Hoyama? Por enquanto, o mesatenista segue na frente

iG São Paulo |

Vipcomm
Nos 200 m peito, Thiago Pereira percebeu: a luta pelo recorde de ouros pan-americanos cansa
De tanto que se fala sobre a disputa entre Thiago Pereira e Hugo Hoyama, às vezes dá a impressão de que os dois são rivais. Nem parece que os personagens envolvidos não só são do mesmo país como, sobretudo, de modalidades completamente diferentes.

Mas, também, pudera: o que está em jogo é a condição de maior medalhista brasileiro na história dos Jogos Pan-Americanos, e o nadador já até sente dores musculares enquanto percebe que a missão de superar as dez conquistas do mesatenistas não é nada simples. Depois de perder a primeira oportunidade, nos 200 m peito, Thiago agora investe nos 200 m medley. Será que a quarta-feira vai ser dia de empatar?

O que vem por aí na quarta-feira: A estreia da seleção de Ney Franco

O iG Esporte resume o Dia do Brasil em Guadalajara:

Ainda não foi agora

Thiago Pereira bem que tentou, se esforçou ao máximo - a ponto até de reclamar das dores no corpo com uma sinceridade indisfarçada. Mas ainda não foi desta vez que ele conseguiu igualar o recorde de medalhas de ouro individuais em Pan-Americanos, que pertence a Hugo Hoyama. Ao ficar com o bronze nos 200 m peito, ele manteve o número de nove medalhas douradas, uma a menos do que o mesatenista. A tentativa de igualar a marca de Hoyama ficará para esta quarta-feira, quando ele nadará os 200 m medley.

Em compensação, a natação feminina brasileira viveu mais dois bons momentos em Guadalajara, com o bronze de Joanna Maranhão nos 200 m medley e a prata no revezamento 4 x 200 m livre.

Mas o dia não terminou sem polêmica na natação. A jovem Virginia Bardach resolveu colocar mais pimenta na rivalidade entre Brasil x Argentina, ao criticar a absolvição do brasileiro Cesar Cielo no caso do doping por furosemida. Leia a análise do dia da natação no Blog do Rogério Romero.

O país do collant

Impressionante o desempenho da ginástica rítmica do Brasil em Guadalajara. Nesta terça-feira, o país encerrou de forma brilhante sua participação nos Jogos Pan-Americanos, com as conquistas do ouro na série de três fitas e dois arcos e a prata de Angélica Kvieczynski na prova da maça. No total, o Brasil conquistou neste Pan-Americano sete medalhas na ginástica rítmica - sua melhor marca até hoje.

Hoyama ainda na briga

Antes de saber que Thiago Pereira iria falhar na tentativa de igualar o recorde individual de medalhas de ouro em Pan-Americanos, Hugo Hoyama fez a sua parte e conseguiu duas vitórias em seu grupo pelo torneio individual de tênis de mesa. Além dele, os demais brasileiros na chave masculina, Gustavo Tsuboi e Thiago Monteiro, também venceram.

Prata e drama

Modalidade que voltou a fazer parte do programa do Pan-Americano nos Jogos do Rio-2007, a ginástica trampolim (a popular “cama elástica”) viu em Guadalajara o Brasil conquistar sua primeira medalha masculina, de prata, com Rafael Andrade.

Faltou pouco para o ouro

O remo brasileiro deixou escapar por muito pouco sua primeira medalha de ouro em Guadalajara nesta terça-feira, quando a dupla formada por João Borges Junior e Alexis Mestre ficou com a prata no Dois Sem, apesar de ter brigado de igual para igual com o barco dos EUA até o final da prova.

Acompanhe todas as competições do Pan ao vivo no iG Esporte

Bom de mira

Júlio Almeida vem garantindo a cota de medalhas da equipe brasileira de tiro no Pan de Guadalajara. Após o bronze na pistola de ar 10 m, nesta terça-feira foi a vez de novo bronze, agora na prova de pistola de ar 50 m.

Fracasso no tatame

O taekwondo do Brasil se despediu com um gosto amargo dos Jogos de Guadalajara, após a derrota de Natália Falavigna logo na estreia, na categoria até 67 kg. Com isso, o Brasil terminou sua campanha no Pan 2011 com somente um bronze, conquistado por Márcio Wenceslau - desempenho consideravelmente pior ao de 2007, no Rio, quando o país ganhou uma de ouro, duas de prata e uma de bronze.

As melhores fotos dos brasileiros no quarto dia de Pan:

 

E ainda teve mais:

O Haiti não é ali

São só 12 os haitianos participando dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, mas cada um deles tem uma história especial para contar depois do terremoto que assolou a capital Porto Príncipe em janeiro de 2010. O chefe de missão admite aos enviados iG: o país só está no México graças à ajuda de outros países.

Peixe fora d'água

A estreia do ex-craque e atual deputado federal Romário como comentarista do torneio de futebol do Pan, na TV Record, foi até que discreta. Pelo menos até o momento em que o Baixinho aproveitou a plataforma -  o Brasil x Argentina no feminino - aquele que tem sido um de seus passatempos mais recorrentes: lançar meia-dúzia de alfinetadas contra a CBF.

Ensaio geral

O Pan já chega ao seu quarto dia, mas tem gente da organização que ainda está pegando o jeito. É o caso do pessoal que comanda a cronometragem da natação - que mais uma vez deixou nadadores sem saber o que tinha acontecido - e do rapaz que aperta "play" para as músicas do nado sincronizado. Como já havia acontecido na ginástica rítmica, teve gente que começou a dançar no vazio, sem música para acompanhar. Isso para não falar do site oficial da competição, que se divide cartesianamente entre estar dentro e fora do ar.

Balança, mas... cai

Os brasileiros também tiveram seus momentos desastrados na terça-feira. Ainda no aquecimento para a final do double skiff do remo, a embarcação verde e amarela se chocou contra a mexicana, que acabou quebrando. A prova precisou ser adiada, mas a espera valeu para os donos da casa, que ficaram com o ouro. Mais tarde, no trampolim, um pouco antes de o brasileiro Rafael Andrade conquistar a prata, ele assistiu a um impressionante acidente de seu amigo Carlos Ramirez, que saltou para fora da cama elástica e se estatelou contra a borda do aparelho. O brasileiro - qu e foi um dos cinco a caírem na final da prova - não sofreu lesões graves.

O número

1 - Com toda a sua reputação de boa guardiã de ouro, as Ilhas Cayman nunca tinham levado uma medalha dourada sequer na história dos Jogos Pan-Americanos. Quem mudou isso foi Brett Fraser, vencedor dos 200 m livre. A conquista foi ainda o primeiro ouro da natação de Guadalajara-2011 que não foi dado a Brasil ou Estados Unidos. Não fosse o bastante, o resultado valeu quebra de um recorde pan-americano de 16 anos, pertencente ao brasileiro Gustavo Borges. E a prata ainda ficou com seu irmão, Shaune Fraser! Dá para imaginar o tamanho da festa na capital George Town?

 

Confira o quadro de medalhas atualizado

 

A frase do dia

De Jaqueline, da seleção brasileira de vôlei, emocionada depois do tremendo susto que levou com a fratura na coluna cervical sofrida na partida de estreia:

Vou sair daqui com a medalha. Não estarei jogando, mas estarei em espírito

 

 

 

 

Nos blogs do iG

Iziane está feliz da vida curtindo o clima da Vila Pan-Americana pela primeira vez. imagine, então, como será nas Olimpíadas? Mas ainda falta um pedido de desculpa por aquilo que ela fez antes de Pequim-2008. Leia mais no Blog do Sormani .

Direto de Guadalajara

Sem conquistar uma medalha há quase 30 anos, o tiro com arco conta com a genética para acabar com o jejum. Fábio Emílio, 25 anos, é o filho de Renato Emílio, responsável pelas últimas medalhas brasileiras da modalidade, em Caracas, em 1982. Os enviados iG contam essa história.

 

Leia tudo sobre: pan 2011brasil

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG