Segundo o lutador brasileiro, em algumas categorias o Pan-Americano é equivalente aos Jogos Olímpicos

“Aconteceu o que acontece toda hora no esporte”. Foi assim que Márcio Wenceslau , da seleção brasileira do taekwondo, justificou não ter conquistado a medalha de ouro na categoria até 58 kg neste sábado, quando terminou com a medalha de bronze . Wenceslau era considerado um dos favoritos em Guadalajara, assim como Diogo Silva, na categoria até 68 kg, eliminado nas quartas de final . Embora tenha voltado a reclamar da atuação dos juízes neste Pan, Wenceslau exaltou a qualidade dos adversários que os brasileiros enfrentaram até agora. Em algumas categorias, segundo o brasileiro, o Pan é quase equivalente às Olimpíadas, pois os melhores atletas são das Américas.

Confira o quadro de medalhas atualizado do Pan 2011

“Fizemos o mesmo trabalho de anos atrás, acho que a equipe toda está bem, só que as outras também estão. Na minha categoria, os atletas da República Dominicana e México são os que mais dominam. Aqui, para mim, é como se fossem os Jogos Olímpicos, porque os melhores atletas da minha categoria são das Américas”, disse Wenceslau, que perdeu para o mexicano Damian Villa, vice-campeão mundial.

Leia também: Lutadores do Pan preferem esporte olímpico, mas admiram MMA

Sobre Diogo Silva , Wenceslau lembrou que não foi a primeira vez que ele lutou contra o norte-americano Terrence Jennings e ressaltou que o brasileiro já havia superado o oponente. “O Diogo foi ouro no Rio, então a tendência era todo mundo esperar que ficasse com o ouro de novo. Infelizmente não foi o dia dele, o americano é muito bom, já lutou com ele, mas desta vez o Diogo perdeu”.

Sobre sua luta, Wenceslau, que havia festejado a inclusão dos sensores nos protetores dos atletas , tirando a subjetividade da decisão dos pontos, não deixou de reclamar da arbitragem, como aconteceu em 2007, quando ficou com a prata no Rio. Ele considerou que uma decisão errada dos juízes no início da luta acabou fazendo com que o placar ficasse muito difícil de reverter.

“Na verdade o sensor foi justo, mas não a árbitra no início da luta, porque dei um chute na cabeça do mexicano, ela não marcou os meus pontos e me deu uma falta, o que acabou deixando o placar muito favorável para o meu adversário e não consegui reverter”, analisou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.