Na próxima partida o técnico da seleção Sub 20 quer mais do que a vitória, quer atropelar a Costa Rica

A seleção brasileira masculina de futebol jogou, nesta quinta-feria, sua segunda partida no Pan-Americano contra Cuba, e não conseguiu sair do 0 a 0 . Apesar de os brasileiros serem superiores durante todo o jogo, os cubanos se defenderam bem e conseguiram seu objetivo, que era não perder. Para Ney Franco, foi incompetência do seu time não conseguir marcar nenhum gol.

"Eles marcaram forte e foram competentes. Nós fomos incompetentes, pois não conseguimos marcar um gol sequer", frisou Ney Franco. O técnico brasileiro, entretanto, garantiu que não houve excesso de confiança por parte dos seus jogadores. "Jogamos sempre respeitando o adversário e Cuba teve a qualidade de se defender bem. Tanto que eles comemoraram o empate como se fosse uma conquista de Copa do Mundo", frisou.

Leia também: Mano visita seleção Sub 20 no Pan de Guadalajara

O técnico cubano Alexander Gonzalez declarou que foi o resultado mais expressivo do futebol de seu país no ano. Em contrapartida, Ney Franco não considerou o empate sem gols um vexame brasileiro. "Vexame será se eu vier aqui no domingo e tiver que falar sobre a eliminação do Brasil. Mas isso não vai acontecer", prometeu.

Sobre a partida decisiva contra Costa Rica neste domingo, 23, Ney Franco foi direto: "Temos que entrar para atropelar. Temos condições de classificação, basta ajustar alguma coisa taticamente e melhorar nas finalizações", ressaltou Ney Franco, lembrando que falta vencer três partidas para a Seleção Brasileira conquistar a medalha de ouro.

O apoio da torcida mexicana à seleção cubana, que teve direito até a gritos de "olé" no fim da partida, não incomodou o treinador. "É normal o torcedor neutro escolher o time mais fraco para torcer. Além disso, teve o fato de o Brasil ter vencido o México recentemente aqui dentro e ainda pode ter uma relação com a briga no quadro de medalhas do Pan", analisou Ney Franco, que demonstrou irritação com mais uma expulsão do time brasileiro.

Leia também: Brasil vence revezamento e crava melhor Pan da história na natação

"Hoje não é hora para conversar isso com o grupo. Mas amanhã este será o tema da minha palestra. Não podemos perder um jogador por partida por expulsão num torneio de tiro curto", esbravejou Ney Franco. O goleiro Cesar ficou surpreso com a catimba cubana. "Primeira vez vejo um jogador tirar a chuteira para atrasar uma partida. Mas não podemos condenar a atitude do menino, pois era o jogo da vida deles. A pura realidade é que nós não soubemos ganhar o jogo e pagamos muito caro por isso", disse Cesar.

    Leia tudo sobre: futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.