Publicidade
Publicidade - Super banner
Pan
enhanced by Google
 

"Mexicanos" do Brasil defendem seus clubes na abertura do Pan

Brasileiros que vivem no país do evento vestem a camisa dos times que torcem. Estádio não deve estar cheio

Marcel Rizzo, enviado iG a Guadalajara |

Marcel Rizzo enviado iG a Guadalajara
Estádio Omnilife pronto para receber a abertura. As cadeiras são para os atletas
Brasileiros que vivem no México estão em Guadalajara para a cerimônia de abertura dos Jogos Pan-Americanos, que acontece nesta sexta-feira, 22h de Brasília, no estádio Omnilife (do Chivas Guadalajara). Mais de duas horas antes de começar o evento, vários torcedores já estavam na porta do estádio, que contou com atrações como pequenos palcos de shows, área de hospitalidade com restaurantes e uma exibição da esquadrilha da fumaça mexicana.

Veja também: Dilma envia mensagem aos atletas brasileiros no Pan 2011

“Estou no México há três meses, dou aula de português, e ganhamos o ingresso. Acho legal ver um evento deste com povo de toda a América”, disse Ramon Cristiano Bonifácio, acompanhado da namorada Diana, que conheceu quando ela fez intercâmbio no Brasil.

Bonifácio estava vestindo a camisa do Palmeiras, que não passa por boa fase no Brasil. “Mas temos que mostrar o amor em qualquer parte”, disse.

Pan-Americano reúne várias musas do esporte. Confira as beldades

Um grupo animado de brasileiros era formado por gaúchos que vivem há anos no México. Com camisas do Brasil e do Grêmio, eles esperavam ver alguns dos principais esportistas brasileiros. O COB (Comitê Olímpico Brasileiro) não divulgou o nome dos atletas que estarão no desfile – o mesatenista Hugo Hoyama será o porta-bandeiras.

“E sou mexicano”, tratou d explicar Ruvalcab Sandino, que vestia uma camisa do Grêmio e se intitulava sub-cônsul da equipe do Sul. “O cônsul sou eu. Faço alguns eventos aqui em Guadalajara para o Grêmio, tenho até carteirinha”, disse Giorgi Soares, segurando orgulhoso a carteirinha.

Pouco antes de abrir os portões, às 17h30, centenas de torcedores já estavam, em filas organizadas, esperando para entrar no estádio, considerado um dos mais modernos da América Latina – em 2009 o Internacional disputou a final da Libertadores nele, que tem grama sintética.

Com preços de R$ 76 a R$ 450, a abertura não deve estar com o estádio totalmente cheio – 50 mil pessoas. Os populares acabaram logo e quase todos foram subsidiados pelo governo do estado de Jalisco, onde está Guadalajara e que bancou o Pan. Por isso, do lado de fora, mexicanos bem vestidos, com suas mulheres bonitas ao lado, eram maioria.

Leia tudo sobre: Pan 2011Brasil

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG