Tamanho do texto

Volante não mostra preocupação com a altitude, mas diz que seleção precisa se acostumar com piso do Omnilife para estreia no Pan

Jogador do Botafogo, Lucas Zen não se preocupa muito com a altitude em Guadalajara . Mas, se os 1.500m acima do nível do mar não assustam, o gramado sintético do Omnilife combinado ao ar rarefeito é motivo de atenção especial. Para o volante de 20 anos, se acostumar com o piso, no qual a bola corre mais rápido, será a principal dificuldade da seleção brasileira para a estreia complicada justamente contra a maior rival, a Argentina. O jogo será às 20h (de Brasília) na quarta-feira.

“O estádio é muito bonito, muito moderno, mas temos de nos acostumar com essa grama. Esse piso sintético com a altitude faz a bola correr muito e isso pode dificultar as coisas para o nosso time, pois não estamos muito acostumados”, analisou o jogador.

Enquanto as vitórias não chegam e a competição não começa, a alegria vem da torcida em conjunto com os atletas de outras modalidades. A cada ouro, no salão dos brasileiros na Vila Pan-Americana, todos festejam juntos. Lucas se mostrou empolgado com a convivência na vila e mostrou que está atento às oportunidades.

Acompanhe como está o quadro de medalhas do Pan

“As meninas da ginástica rítmica são muito simpáticas, torcemos muito por elas e ficaram com o ouro. Teve muita festa lá na vila. Hoje (segunda-feira) poderemos passear um pouco, acho que vamos a um shopping, mas ainda não decidimos. Ainda não conseguimos conhecer a cidade. Tem sido muito legal nos relacionarmos com os outros atletas, a gente conversa bastante”, disse Lucas, avisando que haverá surpresa na cabeça dos brasileiros para a estreia.

“Estamos programando um corte de cabelo, vamos de três em três, mas não sabemos ainda o que vamos fazer”, avisou o garoto, rindo quando indagado se imitariam o novo moicano de Neymar.

Sobre o primeiro jogo no Pan de Guadalajara, ele afirmou que, pelo menos, já tem boas informações do time que enfrentarão, pois a Argentina virá com a mesma formação que disputou o Campeonato Sul-Americano Sub-20 neste ano. “É o maior clássico das Américas e seria ótimo começar vencendo. Conhecemos bem o time deles”, disse.

Lucas falou que todos da seleção brasileira foram orientados a só beberem água mineral e destacou que espera mais dificuldade, além dos argentinos, do time da casa. “O México vem com a seleção Sub-22. Isso dá a eles um pouco mais de experiência e também tem o fato de jogarem em casa, com apoio da torcida, então é um time que pode nos criar bastante dificuldade”, previu.

    Leia tudo sobre: futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.