Publicidade
Publicidade - Super banner
Pan
enhanced by Google
 

Furacão faz organizadores terem plano B para abertura do Pan

Chuva que castiga Guadalajara, reflexo do Jova, incomoda organizadores que podem ter que alterar parte da festa

Marcel Rizzo e Vicente Seda, enviados iG a Guadalajara |

Leopoldo Smith Murillo/EFE
Agentes vistoriam condições do Club Hípica de Zapopan, local das provas de hipismo
O furacão Jova está a mais de 300 km de Guadalajara, na costa do México, mas pode afetar a cerimônia de abertura dos Jogos Pan-Americanos, nesta sexta-feira, 22h de Brasília. A forte chuva que castiga a cidade mexicana nos últimos dias, reflexo do furacão, pode alterar parte da programação, que prevê palco ao ar livre no estádio Omnilife, do Chivas Guadalajara, sede da festa – a arena tem apenas parte das arquibancadas cobertas. A organização admite que exista um plano para muda levemente a programação.

Veja também: Hugo Hoyama será o porta-bandeira do Brasil

“Tudo se mantém no programa, mas é claro que uma chuva muito forte pode fazer com que pequenas partes sejam modificadas”, disse Juan José Martínez, diretor do Copag (Comitê Pan-Americano de Guadalajara).

Leia também: Conheça todos os mascotes dos Jogos Pan-Americanos

apenas os cantores e bandas que se apresentarão. Mas haverá danças típicas mexicanas, que podem ser afetadas se chover por causa das roupas que serão utilizadas.

Chuva preocupa organização do Pan. Veja as fotos

Entenda: Furacão Jove se aproxima do México

A previsão do tempo nesta sexta à noite em Guadalajara é de tempo nublado, com 50% de chance de chover. Nos últimos 40 dias havia chovido muito pouco na região, clima típico de fim de verão e início de outono no país. A presença do Jova, que assustou em um primeiro tempo, fez com a cidade recebesse chuva forte na quarta e na quinta, o que fez até algumas ruas alagarem. Apesar disso o susto maior ficou para cidades litorâneas, que foram afetadas por enchentes e desabamentos.

Leia também: Doente, Roberto Bolanos recusa convite para ir a abertura

O governo de Jalisco, estado onde está Guadalajara e que patrocina o Pan, gastou US$ 23 milhões (R$ 44 milhões) somente para os shows de abertura e de encerramento. No Rio de Janeiro, em 2007, foram gastos R$ 80 milhões somente na inauguração. O valor é bem menor, mas e empresa contratada para fazer o evento tem experiência: a norte-americana Five Currents tem como fundador Scott Givens, que escreveu o Manual de Cerimônia do COI (Comitê Olímpico Internacional). O Pan do Rio e o Réveillon de Copacabana de 2010 também foram organizados pela Currents.

Alejandro Acosta/Reuters
Organização dos Jogos espera trégua da chuva durante a cerimônia de abertura

É México

Se em eventos como Copa do Mundo os organizadores escolhem artistas de outros países para participarem dos shows (a colombiana Shakira fechou a de 2006, na Alemanha, e abriu a da África do Sul, em 2010), os mexicanos preferiram prestigiar artistas do país. A banda de pop rock Maná, que tocou no Rock in Rio há algumas semanas, será uma das atrações, assim como a cantora Eugênia León, uma das principais artistas mexicanas.

Leia também: Presidente do COI confirma presença em cerimônia de abertura 

A exceção ficará por conta da banda The Wailers, famosa por ter acompanhado o rei do Reggae, Bob Marley, até ele morrer nos anos 80, uma homenagem à Jamaica, um dos 42 países que serão representados na cerimônia. O mesatenista Hugo Hoyama será o porta bandeiras do Brasil – ele é o maior medalhista de ouro brasileiro na competição, com nove (14 no total). O evento terá a presença do presidente do COI, o belga Jacques Rogge.

Leia tudo sobre: brasilpan 2011cerimônia de abertura

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG