Publicidade
Publicidade - Super banner
Pan
enhanced by Google
 

Everton Lopes já assegura o bronze, mas fala em 'ouvir o hino'

Pugilista diz que prata em 2007 está engasgada, sonha em ser como Popó e avisa que não se contentará com menos do que o ouro

Vicente Seda, enviado iG a Guadalajara |

Um massacre. Não há como descrever de outra forma o combate entre Everton Lopes e Antonio Ortiz, de Porto Rico. Se o brasileiro chegou a brincar com o adversário, mostrando gingado com uma espécie de dança no ringue, quando ultrapassou as cordas mostrou que não está para brincadeira. Nem um pouco satisfeito com a já garantida medalha de bronze, muito menos com a prata que conquistou no Pan do Rio, em 2007, ele quer fazer o Brasil vibrar como fez Acelino Popó Freitas, que fará sua despedida no dia 10 de dezembro. O brasileiro foi aclamado pela torcida ao deixar o ringue.

Veja também: Adriana Araújo decepciona e é eliminada do boxe. Homens avançam

Nascido em berço esplêndido da luta brasileira, a Bahia, ele venceu o porto-riquenho por 17 a 5, em dois rounds, já que no terceiro o adversário abandonou a luta. Sobre a dança no ringue, afirmou que não se trata de provocação, mas de técnica para desconcentrar o oponente: “É o gingado do baiano. Acho que ele (Ortiz) sentiu um pouco a altitude também. Tenho de me preparar agora. A nossa equipe está bem focada no campeonato. Pedi a Deus para iluminar todos nós. Acredito que estou bem para buscar o ouro. Nunca estou satisfeito, só quando ouvir o hino do Brasil”, avisa.

Confira ainda: Fora da competição, boxeador é assassinado na sede do Pan

Campeão Mundial de Boxe amador este ano, Everton reconhece ser um ano especial. Fã de Washington Silva, que disputou as Olimpíadas de Pequim, contou que foi através do pugilista que começou a praticar o boxe. “A minha mãe na época falou que eu era louco, mas hoje me dá todo o apoio”.

Como Popó, ele quer fazer o Brasil saber seu nome e vibrar com seus golpes. “Quero ser como o Popó. É um ídolo, que me fazia vibrar, que fez o Brasil vibrar. Tomara que um dia o Brasil vibre comigo também”.

Sobre a prata no Rio, em 2007, ele diz que até hoje “está engasgada”. “Lutei no Rio com 18 anos e peguei um cubano muito experiente na final. A gente vai aprendendo, mas aquela medalha ficou engasgada. Quero o ouro. Estou num ritmo forte. Vou fazer tudo para conseguir”.

Leia tudo sobre: Pan 2011BoxeEverton LopesLutasBrasil

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG