Caixas, escadas e TVs ainda no plástico mostram que complexo da modalidade foi entregue às pressas

Omar Torres / AFP
A poucos dias do início do Pan, estádio de atletismo não estava pronto e aguardava homologação da Iaaf
Cheirando a tinta. Assim está o estádio de atletismo que recebe a partir desta segunda-feira as provas da modalidade nobre nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara . Equipamento mais atrasado dentre todos os construídos ou reformados para a competição (total de 23), o complexo foi inaugurado quatro dias antes de começarem as disputas, no dia 10 de outubro. Se por fora parece pronto, pode dentro equivale a uma casa em reforma.

Leia também: Atrasos em obras do Pan criam desconforto entre dirigentes

O cheiro de tinta nas partes internas é forte – segundo apurou o iG a pintura foi realizada no final de semana. Os televisores em que os torcedores poderiam ver as provas não estão funcionando e muitos ainda nem saíram do plástico, como se tivessem sido compradas nos últimos idas.

Veja também: Brasileiro da marcha é desclassificado a 50 m do fim

Pelo chão, tomadas adaptadas para que funcionários continuem trabalhando – as provas de atletismo serão disputadas até sexta-feira. Muitas caixas e escadas são vistas na parte interna e torcedores são orientados a ficarem distantes desses locais. Segundo a organização da competição, foi priorizada a conclusão das cadeiras e parte das arquibancadas, para conforto dos torcedores. Cabem pouco mais de oito mil pessoas sentadas.

Fora do Prazo

O estádio deveria ter sido entregue em junho, e o atraso é consequência de três mudanças da sede por questões ambientais e políticas, entre 2008 e agosto de 2010, quando sua construção começou em uma antiga unidade esportiva de 7,5 hectares de extensão. A pista só foi aprovada pela Iaaf (Federação Internacional de Atletismo) 10 dias antes da competição começar, quando a última camada de tartan (matéria que cobre a pista) foi colocado.

Fabiana Murer é a principal competidora brasileira e deve faturar o ouro no salto com vara

O estádio, batizado de Telmex porque teve ajuda financeira da empresa de telefonia para ser construído, custou cerca de R$ 55 milhões. Ao lado do parque aquático é a obra mais cara deste Pan. A localização é periférica, fica no municio de Zapopan (área metropolitana de Guadalajara), mas cerca de 30 km distante do centro da cidade sede.

Acompanhe o blog de Maurren Maggi direto de Guadalajara

Oficialmente o local foi escolhido por ser ao lado de um auditório que pertence à Telmex e por ter espaço para um amplo estacionamento ao lado. Mas a escolha teria sido porque o terreno no local é muito mais barato do que um mais próximo ao centro ou do que numa área nobre de Guadalajara, mais ao sul da cidade.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.