Publicidade
Publicidade - Super banner
Pan
enhanced by Google
 

Dinheiro para fazer Pan só ajuda esporte dos que investem pouco

Em países em que a atividade já é desenvolvida, o peso do Pan é menor na alavancagem dos resultados

Marcel Frota, especial para o iG, em São Paulo |

Buda Mendes/Getty Images
Complexo Maria Lenk, construído para Pan do Rio 2007
Não era segredo que os Jogos Pan-Americanos foram uma espécie de ensaio para os organizadores cariocas que pretendiam mesmo era trazer os Jogos Olímpicos para o Rio de Janeiro. Em 2007 foi dada uma oportunidade para que o COB (Comitê Olímpico Brasileiro) experimentasse uma fração do que seria organizar um evento da magnitude da Olimpíada. Mas o aprendizado não parece ser o único benefício quem vem com o privilégio de organizar o torneio continental.

Leia ainda: O sobe e desce do Brasil nos Jogos Pan-Americanos

Nos países que estão distantes de ser uma potência esportiva, o investimento necessário para a realização de um Pan funciona como alavanca também do desenvolvimento esportivo. Os últimos cinco países a sediar os Jogos Pan-Americanos oferecem um exemplo disso. Cuba, Argentina, Canadá, República Dominicana e Brasil estão em grupos distintos no cenário internacional esportivo. Enquanto Canadá e Cuba se destacam, os demais ainda engatinham nas competições de ponta.

Veja também: 16 dias em Guadalajara: O Pan em detalhe

Mas Cuba e Canadá são casos a parte. O Canadá é uma potência esportiva consolidada, um país economicamente estabelecido (10ª economia do mundo, apesar de ter população menor do que a do estado de São Paulo) e socialmente desenvolvido, o oitavo colocado no ranking de IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) segundo levantamento realizado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

Veja como ficou o quadro de medalhas do Pan de Guadalajara

Já Cuba é uma economia pequena (63ª do mundo), mas com investimentos pontuais em áreas estratégicas (e o esporte tornou-se uma delas a partir da década de 1970) que funcionaram como propaganda de um regime numa época em que o mundo vivia a bipolaridade de poder. Assim, apesar de sofrer em algumas áreas, aparecia com destaque em outras, como esporte e educação.

Veja ainda: Lei Piva ajuda em 1º ouro, mas não impulsiona rendimento geral

Brasil, Argentina (46ª no IDH) e República Dominicana (88º no IDH) podem diferir economicamente, mas estão muito próximos do ponto de vista social. O Brasil, atrasado socialmente (73º no IDH), mesmo sendo uma economia grande (7º maior do planeta), pouco investe em esporte (o pico em relação ao PIB foi exatamente no ano do Pan, 2007, quando investiu 0.1%) o que o torna bem mais parecido com países pobres do que com aqueles com quem divide espaço no ranking das maiores economias do mundo.

Acompanhe o blog Espírito Olímpico e saiba tudo sobre a preparação para Londres 2012

O Brasil investiu cerca de R$ 3,5 bi para realização do Pan do Rio de Janeiro em 2007. Para se ter uma ideia da diferença entre o torneio continetal e o que uma Olimpíada custa, o COB estima que sejam necessários R$ 25,9 bilhões em investimentos para a realização das Olimpíadas no Brasil em 2016. Por tudo isso, apesar do custo de um Pan ser bem mais baixo, ele é suficiente para promover alguma alavancagem entre os menos desenvolvidos, mas acaba tendo pouco reflexo num país como o Canadá.

Cuba

Palco dos Jogos Pan-Americanos de 1991, Cuba já era um concorrente de respeito no panorama internacional em função dos investimentos feitos na década de 1970, na esteira do propagandismo político-cultural de Fidel Castro. Os resultados eram inegáveis, mas difíceis de ser quantificados em função das tensões da época. As Olimpíadas de 1980 (Moscou) e 1984 (Los Angeles) foram marcadas por maciços boicotes de países do bloco capitalista, no primeiro caso, e socialista, no segundo. Assim, a competitividade do esporte cubano ficava distorcido pelas ausências de lado a lado.

Siga o blog da Maurren Maggi e confira os posts da tricampeã pan-americana de salto

No Pan, entretanto, o crescimento com a verba extra vinda com o privilégio de ser sede, se verifica no histórico da competição. Mesmo já tendo presença respeitável no quadro de medalhas, Cuba desfrutou do fenômeno de alavancagem ao competir em casa, quando os Estados Unidos foram batidos pela primeira e única vez na história do torneio, e depois, ao aumentar sua fatia na distribuição das medalhas. Acompanhe no quadro abaixo:

Evento Ranking Ouro Prata Bronze Total
1987 - Pan de Indianápolis 75 52 48 175
1991 - Pan de Havana 140 62 63 265
1995 - Pan de Mar del Plata 112 66 60 238

No caso do efeito olímpico que os investimentos provocaram, a comparação imediata é impossível, graças a questões políticas. Cuba boicotou os jogos de Seul em solidariedade à Coréia do Norte, que na época pleiteou sediar algumas competições do evento, o que foi negado pelos organizadores sul-coreanos. Entretanto, quando voltou a competir, em 1992, Cuba teve um de seus melhores resultados. Foram 14 medalhas de ouro.

Evento Ranking Ouro Prata Bronze Total
1988 - Olimpíada de Seul

Não participou

- - - -
1992 - Olimpíada de Barcelona 14 6 11 31

Argentina

A exemplo do que aconteceu com outros países, a Argentina experimentou os efeitos do chamado "doping moral" de sediar o torneio. De cara, foram 29 medalhas de ouro a mais do que ganhara em 1991só por competir em casa. No Pan seguinte, em Winnipeg, os argentinos ainda colheram os frutos do investimento feito não apenas em estruturas, mas também do desenvolvimento dos atletas. O número de medalhas de ouro continuou maior do que era antes de sediar a competição.

Evento Ranking Ouro Prata Bronze Total
1991 - Pan de Havana 11 15 29 55
1995 - Pan de Mar del Plata 40 45 74 159
1999 - Pan de Winnipeg 25 19 28 72

Também nas Olimpíadas, ainda que singelo, os argentinos ampliaram sua participação no quadro de medalhas:

Evento Ranking Ouro Prata Bronze Total
1992 - Olimpíada de Barcelona 53º 0 0 1 1
1996 - Olimpíada Atlanta 54º 0 2 1 3

 

Canadá

O Canadá até perdeu terreno no Pan depois de sediar a competição. Não porque o investimento para Winnipeg tenha sido prejudicial ao já consolidado esporte canadense. Contudo, muitos atletas de ponta do país não disputam os jogos continentais. Eles valorizam mais a atuação em competições de ponta do esporte mundial e acabam por direcionar seu cronograma de treinos nesse rumo. Por todas essas epecificidades, no exemplo canadense o volume de recursos necessários para a organização do Pan não tem efeito semelhante àquele que tem nos países subdesenvolvidos.

Evento Ranking Ouro Prata Bronze Total
1995 - Pan de Mar del Plata 47 61 69 177
1999 - Pan de Winnipeg 64 52 80 196
2003 - Pan de Santo Domingo 29 57 42 128

Confira abaixo como foi o desempenho do Canadá no intervalo olímpico que envolveu sediar o Pan:

Evento Ranking Ouro Prata Bronze Total
 1996 - Olimpíada Atlanta 21º 3 11 8 22
 2000 - Olimpíada de Sydney  24º  3  3  8 14

 

República Dominicana

 Apesar do natural recuo no quadro de medalhas depois de competir em casa, é inegável que a República Dominicana cresceu regionalmente como resultado dos investimentos do Pan e passou para outro patamar no ranking do continente. A nova performance verificou-se a partir de 2003 e seguiu em diante. No Pan de Guadalajara, o país manteve sua colocação entre os 10 melhores classificados no quadro de medalhas.

Evento Ranking Ouro Prata Bronze Total
1999 - Pan de Winnipeg 14º 1 3 6 10
2003 - Pan de Santo Domingo 10 12 19 41
2007 - Pan do Rio de Janeiro 6 6 17 29

A evolução Olímpica imediatamente após a organização do Pan se deu com o ouro do corredor Felix Sanchez nos 400 m em Atenas.

Evento Ranking Ouro Prata Bronze Total
2000 - Olimpíada de Sydney - 0 0 0 0
2004 - Olimpíada de Atenas 54º 1 0 0 1

 

Brasil

Além da construção de novas estruturas para receber o Pan, o Ministério do Esporte também direcionou mais dinheiro para o esporte. Prova disso foi o aumento das verbas empenhadas para o programa "Rumo ao Pan 2007" especialmente no ítem "Desporto de Rendimento", que chegou a ter quase R$ 800 milhões empenhados no ano do Pan. Um dos resultados da alta nos investimetos foi o aumento do número de medalhas de ouro conquistadas no Pan a partir da organização do torneio de 2007.

Evento Ranking Ouro Prata Bronze Total
2003 - Pan de Santo Domingo 29 40 54 123
2007 - Pan do Rio de Janeiro 52 40 65 157
2011 - Pan de Guadalajara 48 35 58 141

Embora tenha ficado abaixo no ranking (cujas medalhas de ouro determinam as posições), o Brasil teve mais atletas no pódio nos Jogos Olímpicos disputados um ano depois de sediar o Pan:

Evento Ranking Ouro Prata Bronze Total
2004 - Olimpíada de Atenas 16º 5 2 3 10
2008 - Olimpíada de Pequim 23º 3 4 8 15

 

Leia tudo sobre: Pan 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG