Publicidade
Publicidade - Super banner
Pan
enhanced by Google
 

Confederação Brasileira de Rúgbi recebe ajuda do COB desde 2010

Secretário-geral admite que esporte, que estará na Rio-2016, começou a receber verbas da Lei Piva antes do ciclo olímpico

Marcel Rizzo e Vicente Seda, iG São Paulo e Rio de Janeiro |

Divulgação
A seleção brasileira segue se preparando para a disputa dos Jogos Pan- Americanos
O secretário-geral da Confederação Brasileira de Rúgbi, Fábio Galdieri, revelou ao iG que o esporte, já garantido na Olimpíada de 2016, no Rio, está recebendo verbas do COB (Comitê Olímpico Brasileiro) através de Lei Piva desde o segundo semestre de 2010. Essas verbas, contudo, normalmente só poderiam ser repassadas para esportes que já são de fato olímpicos - e, portanto, o rúgbi a princípio só receberia os recursos a partir do ciclo olímpico de 2016, ou seja, depois do fim dos Jogos de Londres no ano que vem.

“A gente já está tendo um apoio do COB sim, apesar de ainda não estarmos no ciclo olímpico. O COB começou a ajudar a seleção feminina em 2010 e, depois, passou a colaborar com a masculina também, com a Lei Piva. Foi um grande apoio para que pudéssemos caminhar para uma coisa mais profissional”, disse o dirigente, sem saber precisar quanto a entidade tem recebido do COB. “ A Federação Internacional de Rúgbi (IRB, na sigla em inglês) também está nos ajudando, mas com mais foco na formação de atletas, categorias de base. Eles dão mais apoio a quem vai disseminar o esporte”, completou.

Apesar de o adiantamento no repasse de verbas ter gerado desconforto em representantes de outras modalidades, o próprio COB já explicou essa política quando anunciou um projeto para o desenvolvimento do rúgbi feminino, em abril.  "Não podemos esperar até lá (o início do ciclo) para dar suporte a essas modalidades, por isso abrimos a possibilidade para que elas nos apresentem projetos especiais anuais, que serão financiados com o Fundo de Reserva do COB", explicou à época o superintendente executivo da entidade, Marcus Vinícius Freire.

Galdieri comemorou a profissionalização da entidade e o espaço na mídia que vem sendo alcançado com a transmissão de campeonatos e acordos com patrocinadores do porte de Topper (que fornece os uniformes), Bradesco e Deloitte. Ele não soube explicar os motivos para o COB ter começado a repassar as verbas antes do início do ciclo olímpico, mas afirma que, de 2009 para 2010, houve uma profissionalização da entidade, que só contava com uma secretária e com diretores, que trabalhavam nas horas vagas. A ajuda, segundo ele, foi fundamental.

“Em 2009, tínhamos uma sede bem ruim, que nem dava para receber ninguém, e apenas uma funcionária que atendia os telefones. O presidente ficava em Curitiba, o financeiro, em Florianópolis... Era uma entidade bem amadora. Agora mudamos de sede, temos uma diretoria trabalhando full time e estamos conseguindo resultados. Ter a transmissão de alguns campeonatos ao vivo nos ajuda muito, assim como a chegada desses patrocinadores. Sem muita divulgação, estamos conseguindo igualar a audiência de futsal e basquete”, disse.

Leia tudo sobre: rúgbibrasillei pivapan 2011rio 2016cob

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG