Ao total, foram 10 de ouro, nove de prata e 11 de bronze, sendo que 24 destas medalhas foram garantidas pela natação do Brasil

selo

Um dia depois do fim dos Jogos Pan-Americanos de 2011 , que tiveram o seu encerramento no último domingo, a CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos) celebrou nesta segunda-feira o desempenho dos seus atletas para o país em Guadalajara . Por meio de nota oficial, a entidade lembrou que, se fosse uma nação, já colocaria o Brasil na nona colocação no quadro geral do Pan com as 30 medalhas que conquistou no evento realizado na cidade mexicana .

Veja também: Brasil mantém colocação de 2007, mas piora em vários esportes

Ao total, foram 10 de ouro, nove de prata e 11 de bronze, sendo que 24 destas medalhas foram garantidas pela natação do Brasil . E, ao falar do bom desempenho do país na modalidade, o supervisor técnico da CBDA, Ricardo de Moura, enfatizou que os brasileiros precisaram superar o "caos" provocado pela falta de estrutura e organização deste Pan , que por algumas vezes viveu momentos de amadorismo.

Acompanhe o blog do Rogério Romero

"Tecnicamente a organização dos eventos de natação foi um caos. Todos os dias aconteciam problemas sérios que iam desde o transporte até a cronometragem, passando pela comida. A retirada da parte de trás do bloco (de partida) interferiu nos tempos, principalmente nas provas de velocidade. E quando estamos lutando por cada centésimo, isso faz uma diferença brutal", afirmou Moura, para depois revelar que os contratempos enfrentados neste Pan mudarão parte do planejamento inicialmente previsto para os atletas que disputarão a Olimpíada de 2012 .

Leia também: Conheça as revelações do Pan que podem brilhar no futuro

"Em função do resultado nos Jogos de Guadalajara já modificamos várias coisas na preparação visando os Jogos Olímpicos de Londres . Todos os que obtiveram medalhas em provas individuais terão programas especiais de preparação", acrescentou o supervisor.

Após ver a natação do país encarar este cenário complicado, Moura destacou os motivos que ajudaram o Brasil a brilhar na natação do Pan , entre eles a união dos nadadores, citada anteriormente como um diferencial também por Cesar Cielo após o término da competição. "O resultado foi bom porque fizemos uma excelente aclimatação no centro de La Loma (no México), tivemos uma estrutura muito boa oferecida pelo Comitê Olímpico Brasileiro e porque a equipe estava muito concentrada e profissional. Não tivemos nenhum problema disciplinar. Todos foram conscientizados das dificuldades que encontraríamos e se prepararam", enfatizou.

Veja ainda: Os medalhistas de ouro do Brasil

Ao festejar o desempenho da natação, a CBDA enfatizou também que a participação do Brasil neste Pan foi melhor que a da edição anterior da competição, realizada no Rio, em 2007, apesar do número igual de pódios (24) obtidos na capital carioca. A entidade lembrou que desta vez os brasileiros conquistaram oito medalhas de prata, contra seis da competição realizada quatro anos atrás, e ressaltou que o Brasil quebrou quatro dos 16 recordes pan-americanos alcançados em Guadalajara .

Confira como ficou o quadro de medalhas dos Jogos Pan-Americanos

E este Pan foi realmente emblemático para a natação do Brasil em termos de representatividade. Além de ser o primeiro de Cesar Cielo na condição de maior velocista do mundo na modalidade, c onsagrou Thiago Pereira como o maior medalhista de ouro do Brasil na história da competição, com 12 ao total - ele superou o mesa-tenista Hugo Hoyama , que chegou a 10 medalhas douradas neste Pan .

Leia ainda: Guadalajara encerra o Pan e alimenta sonho olímpico

Cielo confirmou o seu favoritismo anunciado e foi campeão dos 50 e 100 metros livre, provas em que ostenta o recorde mundial, e ajudou o Brasil a levar mais dois ouros nos revezamentos 4x100 metros livre e 4x100 metros medley.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.