Patinadora gaúcha de 16 anos será a atleta brasileira da modalidade nos Jogos de Guadalajara

A voz ao telefone não deixa dúvida de que Talitha Haas ainda é uma menina. Mas, aos 16 anos, a patinadora de Novo Hamburgo já tem uma responsabilidade de peso pela frente. Vai representar o Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara , no México. Cursando o 3º ano do ensino médio, Talitha vai faltar na aula em alguns dias de outubro, mas a causa é nobre.

"Tenho boas notas e meus colegas vão me ajudar", contou a patinadora, que ainda está na categoria júnior. No masculino, o representante será o experiente Marcel Sturmer, atual bicampeão pan-americano. A escolha do nome de Talitha não foi surpresa: afinal, a garota tem conquistado importantes resultados sobre os patins.

Aos 14 anos, Talitha foi para o seu primeiro Mundial Júnior, em Freiburg, na Alemanha, em 2009. A meta era ficar entre as 20 primeiras, mas ela já colocou uma medalha no peito: o bronze. O resultado animou a garota, que começou a patinar por influência de uma amiga. "No início era só brincadeira, mas quando vi que levava jeito, fui em frente".

Veja também: Stürmer vê aposentadoria próxima e projeta turnês pelo Brasil

Neste ano, Talitha conquistou a medalha de ouro no Sul-Americano Júnior, em Santa Cruz do Sul (RS), no Brasileiro Júnior, em São Paulo, e na Copa Inter-Americana, em Santos. No Pré-Pan de Rosário, na Argentina, voltou com um bronze. Com 16 anos - completa 17 em dezembro -, Talitha ainda é júnior. Tanto que no Mundial que será realizado no Brasil, em novembro, ela estará nesta categoria. No Pan, prém, não existe uma divisão por idade.

Talitha embarca para o México dia 16 de outubro. Está ansiosa, mas por ser uma das poucas patinadoras júniores que estarão no Pan, não tem o peso da pressão nas costas. Os pais Nádia e Maurício bem que gostariam de acompanhar a filha no México. Mas é a técnica Janaína Espíndola, parceira desde que Talitha começou a patinar, quem estará ao lado da garota. Janaína, aliás, foi a primeira atleta da modalidade a conquistar uma medalha em Pan - o bronze em Winnipeg-1999.

Talitha ainda tem muito o que rodar com seus patins. Ainda sem namorado, se dedica aos estudos e à patinação, e pretende prestar vestibular para engenharia química no final do ano. Isso se a patinação deixar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.