Tamanho do texto

Atletas disseram que não puderam fazer um exame antidoping antes da Olimpíada de Atenas por causa de um acidente de moto

selo

Getty Images
Medalhistas gregos pretastaram esclarecimentos ao Comitê Olímpico Internacional em 2004
Os velocistas gregos Costas Kenteris e Katerina Thanou foram condenados nesta terça-feira a 31 meses de prisão por terem mentido às autoridades no caso de um suposto acidente de moto, que teria ocorrido poucos dias antes do início dos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004. "O tribunal considerou que o acidente nunca ocorreu", disse o juiz Dimitris Lefkos.

Com este período de condenação, é provável que os atletas não precisem cumprir a pena em uma cadeia. Apesar isso, ambos recorreram imediatamente da sentença. Os medalhistas da Olimpíada de Sydney, em 2000, haviam explicado que por conta do acidente não puderam realizar um exame antidoping antes do começo dos Jogos de Atenas.

Os velocistas não estiveram presentes ao tribunal nesta terça-feira no momento em que o juiz leu os veredictos que também implicaram o treinador dos atletas, Christos Tekos, condenado a 33 meses de prisão. As penas de seis médicos do hospital que os atendeu depois do suposto acidente e de duas testemunhas variam entre seis e 15 meses.

O juiz disse que o tribunal não encontrou circunstâncias atenuantes para os corredores. Advogado de Kenteris, Michalis Dimitrakopoulos reclamou do veredicto. "É simplesmente inacreditável recusar quaisquer circunstâncias atenuantes para campeões dos Jogos Olímpicos. Isto é concedido aos traficantes de drogas e criminosos", disse. "E agora nós temos essa decisão para dois atletas como se eles não tivessem dado nada para o país. É uma vergonha e eu tenho vergonha de meu país".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.