1. Home iG
  2. Esporte
  3. Olimpíadas
  4. Home

Os números mostram a superioridade de Daniel Dias nas piscinas. O brasileiro tornou-se o maior nadador paralímpico do mundo

Daniel Dias ficou com a prata nos 100m peito
Reprodução/Twitter
Daniel Dias ficou com a prata nos 100m peito

Se avaliássemos Daniel Dias somente pelo desempenho nos Jogos Paralímpicos do Rio, já o taxaríamos de, no mínimo, um fenômeno. Mas suas nove medalhas na edição Rio 2016 da Paralimpíada são apenas uma parte de suas conquistas gigantescas no esporte paralímpico.

FIQUE LIGADO: Tempo real do último dia da Paralimpíada 2016

As duas medalhas conquistadas no último dia de competição (17), um ouro e um bronze, fizeram com que Daniel Dias encerrasse sua participação nos Jogos Rio 2016 com um total de 24 medalhas nas últimas três Paralimpíadas disputadas (Rio 2016, Londres 2012 e Pequim 2008). A marca o coloca como o maior nadador paralímpico da história. Para chegar a esse feito histórico, o brasileiro superou as 23 medalhas conquistadas pelo australiano Matthew Cowdrey (Atenas 2004, Pequim 2008 e Londres 2012).

Na noite do último sábado, Daniel entrou na piscina do Parque Aquático da Barra da Tijuca para seus dois últimos desafios no Rio. Mais uma vez, missão cumprida com louvor.

Confira o histórico de medalhas paralímpicas do atleta do Time Petrobras:  

Rio 2016 - quatro de ouro, três de prata e duas de bronze;

Londres 2012 -  seis de ouro;

Pequim 2008 - quatro de ouro, quatro de prata e uma de bronze.

Nos Jogos do Rio, Daniel Dias conquistou o ouro nos 100m livre classe S5, nos 50m costas S5, nos 200m livre S5 e nos 50m livre S5; a prata nos 100m peito SB4, no revezamento misto 4x50m livre e no revezamento masculino 4x100m livre; e o bronze nos 50m borboleta S5 e revezamento 4x100m medley 34 pontos.

Em sua terceira Paralimpíada, o desempenho do maior medalhista brasileiro confirma a condição de gigante da história da natação paralímpica masculina. No feminino, a americana Trischa Zorn conquistou 55 medalhas, seguida pela francesa Béatrice Hess e a alemã Claudia Hengst, ambas com 25. As três estão aposentadas.