Uma investigação da Associated Press analisou a Marina da Gloria na Baía de Guanabara, a praia de Copacabana e Ipanema, além da Lagoa Rodrigo de Freitas e encontrou elevados níveis de vírus e bactérias de esgoto

AP

As águas onde atletas olímpicos irão competir nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016, estão contaminadas com esgoto e representam sério risco à saúde dos esportistas da natação e canoagem.

Uma investigação da Associated Press analisou a Marina da Gloria na Baía de Guanabara, a praia de Copacabana e Ipanema, além da Lagoa Rodrigo de Freitas e encontrou elevados níveis de vírus e bactérias de esgoto. Os resultados alarmaram especialistas internacionais e competidores: os resultados variaram de 14 milhões de adenovírus por litro para 1,7 bilhões por litro de água. O mesmo controle de qualidade foi feio nas praias no sul da Califórnia, e a contagem viral foi de 1.000 por litro.

Leia mais:  Cenário dos Jogos Olímpicos, Lagoa sofre com poluição

Apesar da melhora, prática do esporte na Lagoa ainda não é recomendada

Lagoa Rodrigo de Freitas
Reuters
Lagoa Rodrigo de Freitas




"O que você tem aí é basicamente esgoto bruto", disse John Griffith, biólogo marinho da independent Southern California Coastal Water Research Project. Griffith examinou os protocolos, a metodologia e os resultados dos testes.

Segundo ele, se houvesse tal nível  de contaminação das águas em um evento realizado no Estados Unidos, cetrtamente a competição seria cancelada imediatamente. "Toda a água dos banheiros, dos chuveiros e tudo o que vai pelo ralo das pias das pessoas, tudo  vai parar no mar", disse. 

A pesquisa afirma ainda que "os brasileiros são expostos desde a infância e assim, constroem imunidades, mas os atletas e turistas estrangeiros não terão essa proteção". Mais de 10.000 atletas vindos de mais de 200 países são esperados para competir nos Jogos Olímpicos. Quase 1.400 deles vão entrar em contato com águas poluídas.

Mais notícias

A AP encomendou quatro rodadas de testes em cada um desses três locais de competições Olímpicas, e também na Praia de Ipanema, que é popular entre os turistas, mas não receberá eventos. Trinta e sete amostras foram verificadas para a análise de tipos de adenovírus humano, bem como rotavírus, enterovírus e coliformes fecais.

A pesquisa não encontrou um local de água seguro para a natação ou provas de barco, de acordo com especialistas em recursos hídricos globais. De acordo com a agência, estas doenças poderiam abater um atleta por dias, arruinando a participação deles nos Jogos Olímpicos de sonhos e os anos de treinamento duro.

Ivan Bulaja, o treinador croata da equipe de vela da Áustria, disse que ele e seus atletas perderam dias de treinamento depois de adoecerem, apresentando quadros com vômitos e diarreia. "É de longe a pior qualidade da água que já vimos em nossas carreiras na vela", afirmou. "Tenho a certeza se você nadar nessa água e ele entrar em sua boca ou nariz , seu corpo sofrerá com inúmeras contaminações".



As promessas

As autoridades brasileiras se comprometeram a fazer uma profunda reformulação nos cursos de água da cidade. A ação estaria entre os legados mais significativos os Jogos Olímpicos. Mas o mau cheiro do esgoto bruto ainda cumprimenta os viajantes que desembarcam no aeroporto internacional do Rio de Janeiro. 

Mesmo assim, o site do comitê organizador dos Jogos do Rio ainda afirma que um legado chave dos jogos será a reabilitação e proteção do meio ambiente da região e que a qualidade da água em locais de competição está sendo monitorada.

Confira o vídeo:



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.