Apesar de enviar carta à confederação de taekwondo, na qual manifestou desejo de disputar as Olimpíadas do Rio pela modalidade, o Spider terá primeiro que driblar o regulamento da entidade se quiser assegurar um lugar na equipe olímpica

O sonho de Anderson Silva em representar o Brasil nos Jogos Olímpicos do Rio 2016, conforme manifestou em carta aberta publicada pela CBTKD  (Confederação Brasileira de Taekwondo) não é tão simples como parece. Embora não seja exatamente uma novidade o desejo de trocar de modalidade nas Olimpíadas do ano que vem, o ex-campeão do UFC precisaria driblar algumas regras criadas pela própria CBTKD para teoricamente integrar o time olímpico brasileiro no ano que vem.

Para começo de conversa, Anderson Silva ainda não sabe exatamente como será sua condição oficial para poder participar de qualquer modalidade esportiva. Por enquanto, o brasileiro está impedido de lutar no UFC em razão dos dois exames positivos de doping na luta contra o americano Nick Dias - uma no período de preparação e o segundo no dia do combate.

Conheça outros atletas que mudaram de modalidade


Ainda não há data para o julgamento da Comissão Atlética de Nevada (que o puniu preventivamente), acontecer e existe até a possibilidade do UFC adotar o regulamento da Wada (Agência Mundial Antidoping). Se isso ocorrer, uma punição por doping, independentemente da pena aplicada, excluiria o brasileiro dos Jogos de 2016 .

Leia mais sobre a preparação brasileira para o Rio 2016 no blog Espírito Olímpico

Depois, há a questão do próprio regulamento interno da CBTKD para a formação de suas seleções brasileiras. A tomar como base o que foi definido para a temporada 2015, somente uma virada de mesa poderia tornar o desejo do Spider realidade. De acordo com o documento de formação da seleção brasileria adulta de taekwondo 2015, divulgado pela própria entidade, esses serão os critérios para a formação da equipe que vai ais Jogos Pan-Americanos de Toronto 2015, que incluem as mesmas categorias em disputa nas Olimpíadas:

1) Estarão selecionados os atletas 1º ao 3º colocados, sem definição 
de titular e reserva na seleção;
2)  Estarão selecionados os atletas que, independente da posição na seletiva Fechada, tenham conquistado a vaga dos Jogos Panamericanos na seletiva Panamericana;
3) Será representante nos Jogos Panamericanos, de acordo com a estratégia de classificação olímpica, o atleta da divisão que estiver entre os 20º colocados do ranking olímpico WTF (Final de maio 2015), considerando as alterações de divisão (corte devido a WTF permitir apenas um atleta por nação);
4) Nas divisões em que não houver atletas entre os 20º primeiros colocados no ranking olímpico WTF (Final de maio 2015), o titular será escalado pela comissão técnica.

A tomar pelo peso atual de Anderson Silva (84 kg), ele teria que buscar esta teórica vaga na categoria acima de 80 kg. Hoje, o brasileiro melhor colocado nesta faixa é Guilherme Félix, que aparece em 18º no ranking da WTK (Federação Mundial de Taekwondo). Os critérios para a formação da equipe olímpica não foram anunciados ainda, mas normalmente são repetidas as mesmas exigências feitas antes do Pan.

O presidente da CBTKD, Carlos Fernandes, em encontro recente com o lutador do UFC, Anderson Silva
Divulgação/CBTKD
O presidente da CBTKD, Carlos Fernandes, em encontro recente com o lutador do UFC, Anderson Silva

Esta não foi a primeira vez que Anderson Silva manisfestou interesse em trocar o octógono do UFC pelo tatame do taekwondo, que inclusive foi sua modalidade de origem nas artes marciais. Em 2012, após derrotar Stephan Bonnar no UFC Rio III, o brasileiro afirmou que gostaria de disputar as Olimpíadas do Rio. "Disputar as Olimpíadas é um grande sonho que eu tenho. O patrão [Dana White, presidente do UFC] poderia aproveitar e me liberar para lutar taekwondo em 2016", afirmou na ocasião.

Dois anos depois, contudo, ele tinha mudado de ideia. Em coletiva na véspera da luta revanche contra o americano Chris Weidman, em dezembro de 2013, quando inclusive sofreu a fratura na perna esquerda, o Spider descartou tornar-se atleta olímpico. "Seria uma honra representar o Brasil nos Jogos, mas não tenho tempo hábil. Fora isso, papai [apontando para Dana White] não quer.

Procurada pelo iG para comentar a possibilidade de Anderson Silva tentar uma vaga na equipe olímpica de taekwondo para o Rio 2016, a assessoria de imprensa da CBTKD não atendeu os telefonemas nem respondeu ao email enviado no endereço que consta no site da entidade.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.