Brasileiros seguem na liderança com sete pontos perdidos, sendo dez de vantagem para os irlandeses Peter O'Leary e David Burrows

O vento forte que soprou na raia olímpica de Weymouth nesta quarta-feira atrapalhou a programação da classe Star no evento-teste para os Jogos de Londres-2012, cancelando as duas regatas do dia. Com isso, Robert Scheidt e Bruno Prada, representantes brasileiros na competição, seguem na liderança com sete pontos perdidos, sendo dez de vantagem para os irlandeses Peter O'Leary e David Burrows, que somam 17.

A competição em Weymouth segue o modelo olímpico, com fase classificatória e Medal Race. Para a classe Star, estão previstas dez regatas na etapa de classificação, com a Medal Race no dia 13. Até agora, com a terça-feira (9) de descanso e nenhuma prova nesta quarta-feira (10), só foram completadas seis regatas.

"A Comissão de Regatas perdeu uma grande oportunidade de fazer as regatas pela manhã, quando a previsão era de ventos mais para médios. Já se sabia que à tarde eles iam aumentar muito. Agora, em Weymouth, estamos com ventos entre 25 e 30 nós (de 46,29 km/h a 55,55 km/h), que é uma condição no limite da Star. O risco de quebra ou de alguma colisão, principalmente nesse percurso do porto, que é estreito, é enorme. No fim, fiquei feliz de não ter regata hoje", explicou Scheidt.

Scheidt e Prada começaram o campeonato arrasadores, com três vitórias em regatas de de recuperação. Depois, obtiveram dois segundos lugares. "Cometemos um erro grave na sexta regata, que nos custou muito caro, e acabamos chegando em nono", contou Scheidt.

"Faltam quatro regatas para o fim da fase de classificação e a Medal Race. Estamos mais ou menos na metade do campeonato. Estamos liderando, mas temos de continuar velejando bem", recomendou o velejador.

Os brasileiros estão felizes com o novo barco, um PStar, de origem amerncana e comprado pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) com recursos da Lei de Incentivo Fiscal. A embarcação foi entregue na Europa no final de junho e os velejadores não tiveram muito tempo para treinar, mas não têm do que se queixar.

"O barco tem se mostrado excelente. Sempre tem alguma coisinha para ajustar, porque ele ainda é novo, mas o desempenho tem sido muito bom", garantiu Scheidt.

Classificação geral após seis regatas e o descarte do pior resultado:

1º - Robert Scheidt e Bruno Prada, Brasil, 7 pontos perdidos (1+1+1+2+2+9)
2º - Peter O'Leary e David Burrows, Irlanda, 17 pontos perdidos (6+5+4+4+1+3)
3º - Mateusz Kusznierewicz e Dominik Zycki, Polônia, 19 pontos perdidos (8+4+2+5+3+5)
4º- Diego Negri e Enrico Voltolini, Itália, 20 pontos perdidos (4+10+3+3+6+4)
5º - Fredrik Loof e Max Salminen, Suécia, 30 pontos perdidos (3+7+7+6+7+8)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.