Tamanho do texto

O barco do Team SCA, formado exclusivamente por mulheres, deve chegar ao porto de Itajaí (SC) no início da manhã

A jornada do Team SCA na quinta etapa da Volvo Ocean Race deve terminar, se tudo correr bem, na manhã desta terça-feira. A equipe 100% feminina da Volvo Ocean Race será mais uma a chegar a Itajaí depois de mais de 12 mil quilômetros desde Auckland, na Nova Zelândia. As velejadoras - assim como todos os demais tripulantes das outras embarcações - sofreram com as piores condições de navegação, ou seja, pegaram ondas gigantes e ventos fortes, sem contar pequenos problemas, considerados normais para uma travessia tão longa.

Veja imagens da regata de volta ao mundo Volvo Ocean Race


O barco já está na costa brasileira subindo o Atlântico a caminho de Santa Catarina. Agora, as velejadoras pegam temperaturas mais agradáveis e estão secas, pois as ondas e os ventos estão mais calmos. Porém, encararam vários problemas pelo caminho.

"Quando você menos espera que aconteça alguma coisa, o barco bate em algo e fica difícil de controlar", escreveu a repórter do Team SCA, Anna-Lena Elled. "Mas a tripulação conseguiu corrigir a situação rapidamente, sem qualquer dano, exceto no leme que foi prejudicado".

Fatos como este ocorreram durante a regata e as meninas perderam contato com os líderes. Desde a largada em Auckland, o Team SCA encontrou dificuldades para andar igual às outras equipes. Mas há uma justificativa. Para quase todas as velejadoras, é a primeira experiência em uma Volta ao Mundo.

A velejadora mais requisitada na chegada certamente será Carolijn Brouwer, uma holandesa que morou em Niterói (RJ) e Belo Horizonte (MG) e aprendeu a velejar com os Grael, a família que mais respira vela no país.

O vencedor da etapa foi o Abu Dhabi, seguido por MAPFRE, Team Alvimedica e Team Brunel. O Team SCA será o quinto e o Dongfeng não completou a regata. O barco chinês está com motor ligado no caminho de Itajaí.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.