Embarcação da equipe MAPFRE, do brasileiro André Fonseca, está há três dias sem ter acesso a dados para auxiliar na regata, como recebimento de mapas meteorológicos detalhados

O barco espanhol MAPFRE está praticamente sem comunicação há quase três dias durante a travessia da quarta etapa da Volvo Ocean Race, entre a China e a Nova Zelândia. Um problema a bordo impede a equipe, que tem o brasileiro André 'Bochecha' Fonseca entre seus integrantes, de receber dados importantes para o andamento da regata, como previsão do tempo. O Controle da Regata foi alertado sobre a situação no fim de semana e desde então vem tentando encontrar uma solução.


Gonzalo Infante, que dirige o departamento, disse nesta segunda-feira que não estava claro exatamente o que causou o problema na transmissão. "Nós ainda podemos enviar e receber mensagens de texto simples, mas não é possível enviar dados meteorológicos detalhados. Isso tem impactado a sua capacidade de tomar decisões estratégicas - eles estão navegando às cegas", disse Gonzalo Infante. 

Segundo o repórter a bordo do MAPFRE, Francisco Vignale, apenas o serviço de e-mail está funcionado. "O trabalho de Jean Luc Nélias, nosso navegador, é muito limitado. Não podemos prever e nem executar estratégias de rota", afirmou, ressaltando que a condição de todos a bordo é boa.

Apesar dos problemas, o MAPFRE está na briga pelo pódio, ocupando a terceira colocação após a atualização do início da tarde. A etapa é liderada pelo Team Brunel, que adotou a melhor estratégia de ir mais a norte. Atrás está o Abu Dhabi. A passagem pelos Doldrums pode mudar as cartas da perna entre Sanya, na China e Auckland, na Nova Zelândia.

Confira a classificação em tempo real da Volvo Ocean Race


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.