"A medalha, quando se pensa nela apenas como um simples objeto, para ninguém mais ela tem um valor de fato", relatou o mesatenista Aloisio Lima

Sete meses depois de conquistar a medalha de bronze por equipes Classes 1-2 nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, ao lado de Guilherme Costa e Iranildo Espíndola, o mesatenista brasileiro, Aloisio Lima, teve a casa invadida e a peça foi levada pelo assaltante. O sorriso largo de setembro deu lugar a frustração e o atleta agora luta para recuperar um dos bens mais valiosos da carreira.

Leia também: Após chegar ao 17º lugar no ranking, mesatenista Hugo Calderano quer mais

"A medalha , quando se pensa nela apenas como um simples objeto, para ninguém mais ela tem um valor de fato. Acho que se colocarem no mercado, o valor nem deve ser tão alto. Agora, para mim, que estou batalhando há 12 anos para chegar a uma Olimpíada, tem condensado muitos sonhos, decepções e muitas alegrias. Há toda uma gama de sentimentos. Ela representa muita coisa para mim", disse o mesatenista paralímpico.

Aloisio Lima, ao centro, com a medalha de bronze conquistada nos Jogos Paralímpicos Rio 2016
Francisco Medeiros/Ministério do Esporte
Aloisio Lima, ao centro, com a medalha de bronze conquistada nos Jogos Paralímpicos Rio 2016

O caso

Na última segunda-feira, uma pessoa entrou na casa onde Aloisio mora com a família, em Brasília, por um portão inferior. Ao ver que um dos carros na garagem estava aberto, foi em busca da chave e, por uma janela da cozinha, conseguiu entrar na casa. No momento em que procurava a chave, porém, se confundiu e pegou o chaveiro do carro errado, além do porta-raquete e de uma mochila preta, que era usada por Aloisio. Nela, estavam o Tom (mascote da Paralimpíada Rio 2016) e a medalha de bronze, material que ele levava às palestras que costumava conceder.

Leia também: "Ficou um aprendizado enorme", diz brasileira do tênis de mesa sobre 2016

Ao tentar abrir o portão da casa, o barulho acordou Aloisio e a família. O assaltante também se assustou e, ao correr, deixou o porta-raquetes na garagem, mas levou a mochila e a chave do carro. O caso foi registrado na 29ª Delegacia de Polícia, em Riacho Fundo, Brasília.

A conquista

Leia também: Com medalha e prêmio de melhor atleta, Israel Stroh define 2016: "Histórico"

Nos Jogos Rio 2016, a equipe brasileira bateu a Eslováquia na disputa pelo terceiro lugar, por três sets a dois, com parciais de 11/6, 3/11, 9/11, 11/7 e 11/8. Esta foi a quarta medalha do tênis de mesa nos Jogos Paralímpicos que aconteceram na Cidade Maravilhosa. A delegação verde e amarela havia levado também uma prata no individual masculino Classe 7, com Israel Stroh, um bronze no individual feminino Classe 10, com Bruna Alexandre, e um bronze por equipes na Classe 6-10 feminina.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.