World Surf League estuda seriamente fazer modificações no tour da elite do esporte e no modelo de coroação do campeão mundial

Taiti pode ser a última etapa do mundial de surfe
WSL/ Kelly Cestari
Taiti pode ser a última etapa do mundial de surfe

Não é de hoje que a WSL , liga responsável pelo surfe profissional, tem a intenção de reestruturar o formato do circuito mundial. Os rumores são antigos, mas de acordo com a revista australiana "Stab", o feito está muito próximo de acontecer. Isso porquê, recentemente, uma reunião foi feita com todos os atletas da elite, que estavam em Trestles, na Califórnia, para a oitava etapa da temporada.

LEIA TAMBÉM: Saiba tudo sobre o surfe e estilo de vida do esporte

Embora as informações fossem mantidas em sigilo pela entidade, alguns atletas confirmaram o encontro. Dentre as mudanças radicais sugeridas pela WSL, começamos pela etapa mais esperada do ano, Pipeline. Ao invés do campeão mundial de surfe ser coroado em dezembro no Havaí, existe a possibilidade da ilha receber a primeira competição do ano, em fevereiro. Além disso, a última etapa aconteceria no mês de setembro e provavelmente no Taiti. 

Outra mudança um tanto quanto diferente fica no modelo de coroação do campeão. O melhor surfista da temporada seria escolhido em um evento especial, que aconteceria na Indonésia. Assim, ao final do tour, os seis melhores atletas do ranking masculino e as quatro melhores mulheres da elite participariam de um evento nas Ilhas Mentawai e assim, seriam escolhidos os campeões do ano.

Além disso, para poder ser o campeão mundial, o sexto classificado enfrentaria o quinto e quem vencesse, enfrentaria o quarto. E por aí vai, até enfrentar o primeiro do ranking, e assim, decidir no duelo quem será o coroado. Este modelo de classificação fica muito similar aos esquemas de playoffs de outros esportes.

LEIA TAMBÉM: Rafaella Teixeira, promessa do surfe e atleta do Instituto Gabriel Medina

Qualifying Series

O QS também sofreria algumas mudanças e aconteceria entre setembro e dezembro, começando logo após o fim do CT e terminando no Havaí com a Tríplice Coroa. A ideia é de que, com isto, os atletas da elite pudessem competir integralmente na divisão de acesso à elite do esporte.

LEIA TAMBÉM: "Minha mãe colocou fogo em casa comigo dentro", revela Mineirinho

O site brasileiro "Waves", conversou com um dos comissionários da WSL, Renato Hickel, que confirmou o estudo das mudanças para o ano de 2019. No entanto, de acordo com ele, o fato de que a divisão de acesso à elite do surfe acontecesse em curto tempo, não seria procedente e sim, aconteceria durante o ano todo, como já acontece.

    Leia tudo sobre: surfe
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.