Jovem divide sua rotina entre os treinos no IGM e a escola, mas seu sonho é ser atleta profissional, viajar e poder surfar as melhores ondas do mundo

Surfista da praia de Camburi, Rafaella Teixeira afirma:
Arquivo pessoal
Surfista da praia de Camburi, Rafaella Teixeira afirma: "O surfe é minha vida"

Rafaella Teixeira é um nome bem conhecido na praia de Camburi, no litoral norte de São Paulo. Mais conhecida como Rafa, a simpática e carismática garota marca presença constante no mar do local, onde passou toda a infância, e foi por influência do pai Rafael, que o surfe entrou na sua vida. Em entrevista ao iG Esporte, ela conta como tudo começou.

LEIA TAMBÉM: Gabriel Medina inaugura Instituto para formar novas promessas do surfe

"Comecei a surfar aos cinco anos de idade, meu pai era guarda-vidas e surfista, então ele praticamente vivia na praia. Quando ele não estava trabalhando, ele me levava para surfar todas as manhã antes de eu ir para a escola", diz Rafaella Teixeira . "Foi uma das melhores sensações da minha vida, ter conseguido descer minha primeira onda e conseguir ficar em pé por uns instantes".

Rafaella Teixeira em Camburi, com o pai Rafael
Arquivo pessoal
Rafaella Teixeira em Camburi, com o pai Rafael

Hoje, aos 16 anos, Rafa ainda se lembra de sua primeira prancha. "Minha primeira prancha foi uma 6'8 com a borda rosa, foi o meu tio quem me deu. Ele é shaper e tinha feito essa prancha para a minha tia, mas como ela parou de surfar de pranchinha e começou surfar de bodyboard, ele acabou me dando", relembra.

Mas o esporte que no começo era só uma brincadeira de quem morava perto do mar, passou a ser levado a sério. "Decidi ser surfista quando eu corri meu primeiro campeonato aqui na praia onde eu moro, em Camburi. Eu perdi logo na primeira fase mas gostei de sentir aquela adrenalina. Desde então comecei a treinar todos os dias e não parei até hoje", conta.

LEIA TAMBÉM: Surfista sortudo escapa de ataque de tubarão com socos e sai do mar com arranhão

Nos finais de semana, feriados e alta temporada, ela ajuda o pai e o avô, "seu" Jura, no carrinho de praia, que por sinal, tem uma das melhores tortas do bairro. Quando a barraca não abre, ela vai treinar. Local de Camburi , é na vizinha praia da Baleia, no canto direito, conhecido como "Canto Mágico", que Rafa encontra sua onda preferida. Mas quando não está surfando, a menina gosta de praticar Stand Up Paddle, jogar futebol com os amigos na praia e ouvir música.

"A inspiração da minha vida é a minha família. Meus avós, meu pai e minha mãe, porque eles sempre procuram dar o melhor para mim, independentemente de qualquer dificuldade. Sou grata por tudo que eles fazem por mim", diz. No surfe, sua inspiração é a havaiana Bethany Hamilton: "Ela perdeu um braço enquanto surfava e apesar de todas as dificuldades que passou, ela nunca desistiu. Ela é um exemplo de que nada é impossível".

Veja galeria:

Sem patrocínio, ela conta com a ajuda de apoiadores como Perfect Waves, Aero Pipa, Sicrupt, Cambucá Sanduicheria e Instituto Gabriel Medina. Atualmente, corre campeonatos brasileiros e municipais nas categorias feminino open, sub-16 e até sub-18, mas muito em breve, Rafaella pretende participar de Pro Juniors e etapas do Qualifying Series. "Meu sonho é ser surfista profissional, viajar o mundo e conhecer vários picos irados. Quero poder surfar ondas diferentes, conhecer gente nova e outras culturas", diz.

LEIA TAMBÉM: Em revista da Fifa, Gabriel Medina abre o jogo sobre surfe e futebol

Instituto Gabriel Medina

Gabriel Medina e Rafaella Teixeira
Arquivo pessoal
Gabriel Medina e Rafaella Teixeira

"Entrei no Instituto pelo Campeonato do Medina. Corri todas as etapas, mas mesmo não fazendo final, consegui uma boa colocação no ranking e então eles me convidaram para fazer parte do IGM. Foi um dos dias mais felizes da minha vida! Ser atleta do IGM é muito gratificante para mim, poder representar essa equipe e treinar com meu ídolo", afirma a surfista.

A rotina é pesada. Rafa acorda às 5h20 e vai para Maresias, cerca de 15km de distância de Camburi, pois às 7h já tem de estar no Instituto Gabriel Medina. Lá, eles oferecem café da manhã, almoço e além dos treinos, há também aulas de inglês, informática, apnéia, natação e funcional para os atletas. Das 13h às 18h20, Rafa vai à escola e chega em casa quase por volta das 20h.

"O Gabriel é super legal, treinamos juntos, sempre trocamos idéia... Ele também sempre me dá uns toques em relação ao surfe e pergunta como eu estou. Conheço praticamente toda a família, a Simone (mãe de Medina ), o Charles (pai), a tia Alê, a dona Aurora (avó), o Jaime (tio), o Felipe (irmão), o Jonh John meu parceiro... A Sophia (irmã) é minha amiga e também parceira de treino. Todas essas pessoas são incríveis e me acolheram muito bem quando entrei no Instituto, eles são a minha segunda família", completa Rafaella Teixeira.

    Leia tudo sobre: surfe
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.