Jogos Mundiais Militares acontecem no Rio de Janeiro e, ao redor do ginásio, grupos protestam e ambulantes vendem camisas piratas

Antes da abertura dos 5º Jogos Mundiais Militares, neste sábado, no estádio Engenhão, as redondezas do evento foram marcadas por movimento tranquilo, venda de produtos piratas e um discreto protesto da União Nacional das Esposas de Militares das Forças Armadas, cujos representantes apareceram com uma faixa pedindo mais verbas e valorização.

Ambulantes também aproveitaram a ocasião para vender camisetas piratas da seleção brasileira por preços que variavam de R$ 30 a R$ 50, nas ruas das Oficinas e Dr. Padilha. Diferente de eventos organizados pela Fifa, como a Copa do Mundo, onde a venda de bebidas e alimentos se restringe aos patrocinadores, no Engenhão, a venda não é controlada.

Há bastante segurança em torno do local, com algumas ruas já interditadas e outra que apresentam pontos de lentidão. Para entrar no centro esportivo, passa-se por um detector de metais e uma revista menos minuciosa. Já para entrar dentro do ginásio, a revista é reforçada e os visitantes precisam retirar todos seus pertences das mochilas.

Alguns minutos antes da abertura do evento e com os 26 mil ingressos já esgotados, ainda existem muitos espaços vazios no estádio. Os Jogos Mundiais Militares acontecem pela primeira vez no Brasil em 2011, entre 16 e 24 de julho, e contam com mais de 6 mil atletas de 112 países.

Venda de produtos não oficiais também acontecem nas casas ao redor do estádio
Vicente Seda, iG Rio de Janeiro
Venda de produtos não oficiais também acontecem nas casas ao redor do estádio

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.